ptzh-CNenfritjakoruesvi

‘Nino Bala’ lutará sábado na 5ª edição da Super Liga de Boxe

Um dos lutadores mais experientes do Nordeste, Jeferson Santos-conhecido nos ringues e octógonos da região como ‘Nino Bala’-é um lutador especializado em modalidades como MMA, Muay Tha, Kickboxing e Boxe.
‘Nino Bala’ teve a sua estreia no MMA contra Thiago “Pitbull” Alves ( atualmente atleta do UFC ) no ano de 2001, em um evento promovido pelo Grão Mestre Evilázio Feitoza, em Fortaleza-CE. Na época a modalidade ainda era conhecida como “Vale Tudo”. Nascido no estado de Pernambuco ‘Nino’ lutou em vários estados das regiões Norte e Nordeste do Brasil, tendo encarado adversários do porte de Renée ‘Forte’ ( ex-UFC ), João Paulo Rodrigues, Edilson “Moicano”, Arymarcel Santos e Abrãao Amorin, entre outros. Lutador eclético e talentoso,‘Nino Bala’ sempre foi sinônimo de lutas empolgantes e com isso consolidou a sua carreira como competidor de MMA e garantiu convites para lutar em franquias do porte do Champions Night Fight, Strike Brazil, Nordeste Fight Vale Tudo, Revolução MMA e Limo Fight.
Ao todo ‘Nino’  fez 60 lutas de MMA, mas nem todos entraram em seu registro no Sherdog.
( N.E.: O seu ‘fight finder’ no site norte-americano aponta um registro de 1-18 e precisa ser atualizado ). Sempre preocupado em reciclar os seus conhecimentos, ‘Nino Bala’ começou à praticar Muay Thai no período em que morou em Fortaleza e teve como professores Danilo “Dragon”, Jamil e ‘Lobo’.
Hoje ele já tem graduações no Muay Thai e é professor da modalidade, tendo a sua própria equipe, a NB Muay Thai em Recife-PE, onde reside atualmente. Entre alguns momentos marcantes no seu aprendizado na arte marcial tailandesa podemos citar o aprendizado em seminários com os mestres Francisco Veras e Marcos Vinicius.
Já em sua carreira competitiva nas chamadas lutas de “trocação”, gostaríamos de destacar a sua participação no Fight Dragon, evento organizado no Círculo Militar do Recife por Danilo Zanolini, com o intuito de selecionar atletas e leva-los para lutar no Japão. Como um competidor em lutas no estilo do K-1, ‘Nino’ tem um registro composto por 2 lutas de Muay Thai e 6 de Kickboxing. Contudo, como um grande fã do lendário boxeador Muhammad Ali ( eleito “O Desportista do Século” pela revista estadunidense Sports Illustrated em 1999 ), ‘Nino Bala’ também se especializou no Boxe e para isso contou com os ensinamentos dos experientes técnicos José Gomes, Cláudio Santana e Rubens Doria. Ele já tem um cartel de duas lutas no Boxe amador e uma luta no Boxe profissional, mas promete competir mais vezes nos eventos da chamada “nobre arte”. E seu próximo compromisso já tem data marcada.
Será no próximo dia 8 de Setembro, na 5ª edição da Super Liga de Boxe, que será realizada na área de lutas do Centro de Formação Olímpica ( CFO ), em Fortaleza-CE.
O adversário de ‘Nino’ será o lutador conhecido pela alcunha de “lenhador”. Outras lutas também merecem destaque na programação, tais como o duelo entre os veteranos Franklin Max “Baú” e Jefferson ‘Topeirinha’  e as lutas Jean Freire x Erasmo “Bala” e Jorge Oliveira x Fagner “Baiano”.
O ‘card’ da 5ª edição da Super Liga de Boxe contará ainda com Anistavio “Gasparzinho” Medeiros, um ex-The Ultimate Fighter Brasil que lutará com Carlos Frota. O evento é organizado por Iramar Frota, com a chancela do Conselho Nacional de Boxe ( CNB ) e apoio do Conselho Cearense de Boxe Amador e Profissional ( CCB ) e da Sesporte. *Texto do Colaborador Oriosvaldo Costa | Escrito em 7/09/2018
_ Foto acima : Jeferson Santos, o ‘Nino Bala’, fará umas das lutas mais aguardadas no próximo sábado em Fortaleza-CE ( Cortesia : Divulgação ). Abaixo : ‘Nino Bala’ é sinônimo de boas lutas e encara adversários no Boxe, Kickboxing, Muay Thai e MMA ( Cortesia : Acervo pessoal ).

13606750 917764715000100 8425287275472052930 n

Mais um ‘dedo de prosa’ sobre a Zuffa Boxing e o futuro do MMA

Os irmãos Frank e Lorenzo Fertitta venderam a franquia do UFC em 2016 e concretizaram um dos maiores negócios da história do esporte. Quinze anos depois de comprarem o UFC por ‘míseros’ US$ 2 milhões, os irmãos acertaram a venda da organização por US$ 4 bilhões. Ou seja, venderam o show por um valor 2000 vezes maior do que o que pagaram por ele em 2001. Para o observador mais casual, o UFC continua sendo o maior campeonato de MMA do mundo, agora é “mainstream” e o dinheiro continua rolando em quantidades cada vez maiores. Contudo, para os especialistas no assunto, o negócio ( UFC ) está longe do que qualquer um dos compradores externos avaliaram. Este teria sido o motivo da venda do evento. Na minha modesta opinião, foi todo um conjunto de situações que forçaram os irmãos Fertitta a venderem o UFC. Eles podiam ver os atletas querendo mais dinheiro, a USADA tentando acabar com a carreira de algumas estrelas ( Jon Jones, Anderson Silva, Júnior dos Santos e Vitor Belfort, entre outros ) , muitos campeões de venda de Pay-Per-View envelhecendo  e jovens lutadores sem um futuro promissor , em qualquer divisão, e até mesmo a provável aprovação do Ali Act, entre outros motivos. Eu sei que a informação à cerca da USADA é muito ousada, mas a posição deles é necessária para o surgimento de uma nova geração de lutadores que não façam uso de drogas e do corte extremo de peso.
Isso pode levar alguns anos, mas acho que os melhores dias do esporte ainda estão por vir. Também não é o caso de se fazer uma comparação com os antigos dias do Pro Wrestling  territorial, quando o dono original comprova de volta a antiga promoção de forma barata.
Esqueçam essa possibilidade. Fank e Lorenzo não vão readquirir o Ultimate. Os irmãos Fertitta venderam o percentual remanescente que detinham do UFC e deram adeus às últimas ações da franquia. Mas, claro, a Flash Entertainment - empresa estatal de Abu Dhabi ( Emirados Árabes ) -, também acionista do UFC, ainda permanece com 10% da empresa.
Atualmente os irmãos Fertitta mantêm a Fertitta Capital, uma empresa de investimento focada em tecnologia, mídia e entretenimento.
Também não custa lembrar que eles continuam sendo os donos de uma das maiores redes de hotéis e cassinos de Las Vegas, no estado de Nevada, USA. Como moradores da “capital mundial das lutas” eles entendem desse ‘negócio’ ( de lutas ) porque entendem a cultura da cidade e sempre souberam que os esportes de combate tendem à ser cíclicos e que estes não possuem fãs embutidos da “cidade natal" ao longo da estrada, então eles venderam o seu produto - o qual já houvera tido um bom  “ investimento” - no momento certo, pois viram o possível declínio do império.
Não podemos nos esquecer que esses caras são homens de negócios. O conglomerado WME-IMG Endeavor , atuais donos do UFC, parecem não entender muito bem o negócio e eu suspeito que Dana White ( mantido na companhia por força contratual ) possa sair após esse tempo para se dedicar integralmente ao seu novo empreendimento, que atende pelo nome de Zuffa Boxing, mesmo  depois dos acionistas afirmarem que o MMA continua sendo o grande negócio do segmento de lutas e que as coisas continuam  ótimas. Dana quer investir pesado no mercado do boxe com a Zuffa Boxing.
Uma prova disso é a sua recente declaração dando conta que eles não pretendem fazer  parte das federações que regem a ‘nobre arte’ pelo mundo, mas sim criar uma liga própria.
“Não trabalharemos com as organizações WBA, WBC, IBF, IBO e WBO”, declarou o cartola. A Zuffa Boxing poderia muito bem ter ter seus próprios campeões e rankings, tal como acontece com o UFC.
Porém, não está muito claro como isso poderia ser feito, principalmente por conta do Ali Act ( lei de proteção de lutadores que já é válida para as federações de boxe ). Segundo o próprio Dana : “O interesse está definitivamente lá - todos os lutadores entraram em contato, outros promotores entraram em contato conosco e todos estão interessados. A questão é como faço com que a expansão disso seja maximizada agora mesmo com os negócios do UFC.” O cartola também procurou acalmar os fãs de MMA : “Eu não vou sair do UFC. Estou entrando no boxe com Ari ( Emanuel ) e o UFC também fará boxe” , declarou White em entrevista  ao Los Angeles Times.
Emanuel é o CEO da Endeavor ( ex-WME-IMG ), a empresa controladora do UFC. Embora possa levar algum tempo para White e o UFC se atualizarem no mundo do boxe, ele também disse durante a entrevista que a sua empreitada no boxe poderia ter inicio ainda em 2018. “Se você olhar para tudo o que fizemos pelo MMA nos últimos 15 anos, verá que não temos medo de experimentar coisas novas. Foi mais difícil do que dizer que estamos entrando no boxe. Eu sinto que posso fazer melhor do que todo mundo. Eu amo o boxe”, disse White. Problemas e dúvidas à parte, essa parece ser a ocasião ideal para a retomada da popularidade do boxe, à semelhança das últimas décadas do século passado. Há quanto tempo o boxe está esperando outro Ali ou Tyson? Esse parece ser o momento oportuno para a chegada de uma nova estrela da modalidade e Dana White, inteligentemente, já percebeu isso. *Texto do Colaborador Oriosvaldo Costa _ Foto acima : Dana White feliz da vida ao lado de Conor McGregor durante uma coletiva de imprensa para a divulgação da luta May - Mac   ( Foto : Cortesia Getty Images  -  Getty ). Abaixo : O dirigente garante que irá continuar trabalhando com o UFC, mas demonstra que seus interesses podem estar  se voltando para o boxe ao criar a Zuffa Boxing ( Foto : Cortesia Josh Hedges / Zuffa LLC / Zuffa LLC via Getty Images ).

35168730 205310793422358 2261684195585687552 n

Boxe com os ‘punhos nus’ é novamente legalizado nos EUA

[ Wyoming, USA ] - Seja bem-vindo a uma nova era de esportes de combate profissionais com o Bare Knuckle Fighting Championship ( BKFC ). O card  inaugural do Bare Knuckle Fighting Championship (BKFC) contará com 12 lutas e terá lugar no  Cheyenne Ice & Events Center em Cheyenne, Wyoming, USA. O evento  será realizado dia 2 de junho ( Sábado ) e terá transmissão ao vivo no sistema de  pay-per-view. Esse show entrará para história dos esportes profissionais de combate. O motivo é que esse será o primeiro evento legal, regulamentado e sancionado nos Estados Unidos desde 1889. Agora batizado de  “BKFC: The Beginning”, o show também irá ao ar nos Estados Unidos e no Canadá no pay-per-view através da MultiVision Media, Inc., no aplicativo da fite.tv e em todos os principais canais de distribuição de televisão e streaming por US $ 29,99 em 4K. O evento pode ser encomendado em www.bareknuckle.tv/bkfc1. Os serviços disponibilizados aos fãs que irão acompanhar a atração pelo pay-per-view contarão com o ex-campeão mundial de boxe Antonio Tarver como comentarista. Realizado sob os auspícios e controle da Wyoming Combative Sports Commission ( ou Comissão de Esportes de Combate de Wyoming ) , liderado pelo presidente Bryan Pedersen, o card do “BKFC: The Beginning”,  apresentará somente lutadores profissionais que já competiram no boxe, MMA, kickboxing ou Muay Thai. As principais  atrações do show serão o ex-campeão do UFC Ricco  “suave”  Rodriguez enfrentando Lewis “The Beast” Rumsey, da Pensilvânia, em uma disputa de cinco rounds válida pela categoria dos pesos pesados, enquanto Bobby Gunn, campeão mundial peso pesado de Bare Knuckle Boxing, lutará  contra o brasileiro Marcelo Tavares em uma luta de sete rounds. A presença do veterano do UFC e Pride, Phil “The New York Badass” Baroni, ainda é passível de confirmação e nós não conseguimos confirmar junto aos organizadores se Baroni faria as vezes de ‘presença Vip’ do evento ou se iria competir em  uma  ‘super luta’. As mulheres também terão vez no show histórico, já que Bec Rawlings e Alma Garcia irão se apresentar no inovador evento pelo pay-per-view. Uma ex-lutadora do UFC, Rawlings registrou duas vitórias no Ultimate entre suas sete vitórias profissionais no MMA. A atriz de 29 anos de idade de Brisbane, na Austrália, entrará no ringue procurando trazer o mesmo estilo agressivo de suas lutas no MMA para a competição de boxe com os ‘punhos nus’. Ela vai enfrentar Garcia, uma boxeadora profissional de Denver, Colorado e que já conta com sete lutas na carreira. A ação continuará com o torneio do BKFC em que Eric “O Soldado Americano”  Prindle ( veterano do Bellator ), natural de Prescott, no Arizona, lutará com Sam Shewmaker, do Missouri, Maurice “The Gorilla” Jackson, contra Dale Sopi, do Havaí, e Arnold “Bomaye” Adams, de Chicago, competindo contra DJ “Da Protege”  Linderman. Para completar a chave teremos  Lewis Rumsey versus  Marvin Skipper. Todos esses lutadores farão parte da quarta rodada do torneio eliminatório de oito homens da categoria de pesos pesados.
Não custa lembrar que os vencedores lutarão nas finais de dezembro, cujo campeão dos  pesos pesados levará para casa um prêmio de $ 50.000. Mas as emoções do BKFC não vão parar por aí.
Lutas adicionais de boxe serão incluídas na noite e trarão nomes como o do veterano Reggie Barnett, da Virgínia, contra Travis Thompson, da Pensilvânia, em uma disputa de cinco rounds. O nativo do Texas Johnny “Brutal” Bedford, contra Nick “Garfield” Mamalis, de Wyoming, em outra luta de cinco rounds, assim como o confronto entre Estevan “El Terrible” Payan, de Phoenix e Omar “Gallo Fino” Avelar, de Washington. Dando sequência a noite das lutas de boxe com os ‘punhos nus’ serão promovidas um par de lutas entre Joey Beltran, de San Diego, em confronto com Tony “Kryptonite” Lopez, da Califórnia, e Desmond Johnson, do Winnipeg, enfrentando Austin Ward, do Novo México.
Ambas válidas pela categoria de 145 libras e também travadas em duelos de cinco rounds. Para finalizar o card teremos o canadense Brandon Cheverfield contra o brasileiro Jorge Gonzales, em disputa pela categoria até 165 libras. Não esqueça : “BKFC: The Beginning”  irá inaugurar uma nova área de esportes profissionais de combate. Os ingressos para o evento ao vivo já estão disponíveis exclusivamente em www.bareknuckle.tv
 e custam entre US $ 50 e US $ 200. *Contributed by Senior GPG Writer, Oriosvaldo Costa, “Mr Kung Fu”. _ Foto acima  : Bare Knuckle Fighting Championship ( BKFC ) será o primeiro evento da modalidade sancionado no país após 129 anos de espera ( Cortesia : BKFC Media ). Abaixo : O poster de divulgação do Bare Knuckle Fighting Championship ( BKFC ). O evento entrará para a história dos esportes profissionais de combate ( Cortesia : BKFC Media ).

32264442 1660716397368517 2628994780901670912 n

Qual é o problema que o MMA e Boxe enfrentam em Connecticut ?

Algumas das maiores promoções de artes marciais mistas (MMA, na sigla em inglês para Mixed Martial Arts) acontecem dentro da fronteira do estado de Connecticut, nos EUA. No entanto, os shows do  UFC, Bellator e Reality Fighting acontecem no Foxwoods Resort Casino e no Mohegan Sun, dentro das famosas reservas indígenas, ou seja, em terra de nação tribal soberana. Uma reserva indígena é a designação legal para uma área de terra administrada por uma tribo indígena federalmente reconhecida sob o Bureau de Assuntos Indígenas dos EUA, em vez dos governos estaduais dos EUA nos quais eles estão fisicamente localizados. A reserva indígena é um local onde “a lei do ‘homem branco’ nada pode fazer”. O contrassenso da medida adotada por estas promoções torna-se notória, uma vez que o esporte foi legalizado no estado em 2013. (O projeto de lei legalizando a modalidade havia sido apresentado pelo senador estadual Jonathan Harris desde 2009 ). Os promotores de lutas dizem que a escassez de eventos no estado até agora tem sido devido aos custos. Jimmy Burchfield, presidente da CES, baseada em Rhode Island, declarou que o custo atual para se fazer negócios em Connecticut não pode ser comparado com os de outros estados. Embora ele tenha oferecido anteriormente shows de MMA ao Foxwoods Resort Casino (complexo de hotéis e cassinos de propriedade e operado pela Nação Tribal Mashantucket Pequot em sua reserva localizada em Ledyard, Connecticut), ele geralmente usa o Twin Rivers Casino em Rhode Island. A CES também ofereceu  eventos de boxe no mesmo Foxwoods. “Eu também tive que cancelar três shows de MMA e dois eventos de boxe que eu tinha programado para este ano”, disse Burchfield sobre suas tentativas de trazer eventos para fora das reservas indígenas de Connecticut. “O obstáculo que nos impede trazer o boxe e o MMA para Connecticut é muito básico - os custos”, disse Joe DeGuardia, da Star Boxing. Larry Perosino, secretário da Comissão de Boxe de Connecticut, confirmou que há US $ 13.000 em taxas iniciais relacionadas com eventos de MMA, associadas a despesas de pessoal para a pesagem e os eventos em si. Por exemplo, só os inspetores de combate custam cerca de US $ 1.700. Já o detetive Mark Langlais,  da unidade especial de licenciamento e armas de fogo do departamento de segurança pública da Polícia Estadual de Connecticut, que é o administrador de boxe e MMA naquele estado norte-americano, disse que as taxas cobrem os custos regulatórios e operacionais incorridos pelo departamento para regular os eventos. Perosino e Burchfield criticaram o imposto de admissão de 10 por cento para os eventos, dizendo que é muito mais alto do que os outros estados cobram. “A porcentagem que Connecticut cobra como um imposto sobre os ingressos vendidos é pelo menos o dobro do imposto até mesmo dos estados mais importantes”, disse DeGuardia. É o Departamento de Segurança Pública do estado de Connecticut que regula  o boxe e o MMA atualmente. Nos últimos 10 anos estes esportes vinham sendo regulamentados pelo Departamento de Proteção ao Consumidor. É de conhecimento de todos que a vinda de um grande show de MMA para uma cidade é uma boa estratégia para aquecer a economia local. Eu torço para o bem de todas as partes envolvidas - funcionários do governo, promoções, fãs e lutadores locais - que o estado continue a aperfeiçoar seus regulamentos até que este funcione. *Texto do Colaborador Oriosvaldo Costa _ Foto acima : Após terem lutado nas regras do MMA em Uncasville, Connecticut, Heather Hardy e Ana Julaton deverão se enfrentar em um confronto de boxe, que será promovido pela DiBella Entertainment e pela Orion Sport Entertainment ( Foto : Cortesia de John McCreary - Double G Media) ). Abaixo : Connecticut foi o 49º dos 50 estados norte-americanos a regulamentar o MMA. Nova York ( em vermelho )  foi o último à legalizar a modalidade nos EUA ( Foto: Reprodução / Twitter / Dana White ).

mapa estados unidos

Sandro Vieira divulga agenda para a temporada 2018

2018 começa com tudo para Sandro Vieira da Silva, atleta que compete no MMA, Boxe e K-1.

Sandro Vieira é um funcionário do MMA e tem um recorde de 15 vitórias e 12 derrotas registrado no Sherdog, mas ele nos garante que tem muito mais lutas nessa modalidade.

Seu currículo no Muay Thai e Kickboxing também não fica atrás. Já foram 98 lutas de ´trocação´ contando Muay Thai e Kickboxing em eventos tais como Desafio Brasil x França, Mundial da UIAMA, Campeonato Panamericano de Thai Kick, Campeonato Sulamericano, Copa São Paulo, Combat Fight Muay Thai e Gigantes do Thai, dentre outros.

Residindo atualmente na cidade de São José dos Campos-SP, onde treina em sua academia T-Rex Team Fight, Sandro Vieira foi considerado um dos “strikers” mais perigosos do Brasil pela mídia especializada da Europa e da Ásia, uma vez que teve uma excelente passagem como competidor por estes continentes em 2016.

Já em 2017, Sandro lutou a maior parte dos eventos no Brasil e focou mais em sua equipe e atletas, se destacando como treinador do ano pelo C.I.A.M. - Conselho Internacional de Artes Marciais.

A temporada passada também reservou conquistas como atleta para Sandro que foi considerado o 4° melhor lutador brasileiro em sua categoria de peso pela consagrada organização M-1 Global ( originária da Rússia ), e n°1 do ranking da ULLAMP ( União Latino-Americana de Lutadores de Artes Marciais Profissionais ) / WSOF Global.

Agora que iniciamos 2018, Sandro já divulgou as novidades para essa temporada e que não se restringem ao mundo das lutas.

Isso porque o paulista também vai atacar de ator e gravará participação em um filme da grande diretora Luma Perucci ( já confirmado ), e possivelmente, também poderá gravar uma participação em uma série na Globo ( já está acertando os detalhes para a sua participação ), emissora que faz parte do Grupo Globo- maior conglomerado de mídia e comunicação do Brasil e América Latina.

Ele nos conta empolgado : “sobre o filme, farei uma participação interessante, será um belo filme e agradeço o convite da grande diretora Luma Perucci.

Quanto à série ainda estamos na fase de conversações, quem sabe né, mas terei que manter o foco nas lutas. Com certeza eu vou administrar muito bem o meu tempo ”.

Mas é o sangue de lutador que ´corre em suas veias´ e Sandro assinou um contrato com uma das empresas de um Sheik Árabe, que lhe garante a participação em lutas realizadas em lugares como Abu Dhabi, Dubai, Egito, Marrocos, Líbano, e China.

O contrato também lhe permitirá a promoção de um curso que será ministrado dentro do Burj Al-Arab, um hotel 7 estrelas em Dubai e que tem como fonte hospedar príncipes, sheikes e milionários de todo o mundo.

O atleta nos conta que também já assinou um outro contrato para lutas já confirmadas para a Rússia, Espanha, Las Vegas ( EUA ) e também México.

O lutador também estuda algumas propostas para morar, treinar e dar cursos fora do país.

“Sobre as propostas de morar e trabalhar lá fora com equipes desses outros países, sim, eu tenho algumas ofertas de serviço, quem sabe, estou estudando tudo, mas primeiro vou fazer meu trabalho aqui na T-Rex e lutar, ai vou pensar e analisar com mais atenção essas ofertas. Vamos ver o que acontece no futuro, mais são coisas boas e fico feliz pelo meu trabalho estar sendo reconhecido pelo mundo a fora. Fico feliz porque vou ter muito muito trabalho esse ano ”. Finaliza o casca-grossa.

Fonte / Crédito : Colaborador Oriosvaldo Costa.

Poderá a Zuffa Boxing mudar a cara do boxe e MMA pelo mundo?

Algumas vezes há fãs de MMA e boxe que não entendem que você pode ser um fã de ambos os esportes. Sim, ambas as modalidades de lutas estão bem. As pessoas é que são muito dramáticas.

Ao contrário do que muitas pessoa acreditam, ( promotores de boxe, inclusive ), o MMA não veio para tomar o lugar do pugilismo ; Muito pelo contrário, veio para somar ao público do boxe, conquistando novos corações e mentes ao redor do mundo.

Recentemente o lutador José Aldo declarou à impressa o seu desejo de “acabar o seu contrato com o UFC o mais rápido possível” e, provavelmente, poderá se dedicar ao boxe. A motivação de Aldo para o MMA já não é mais a mesma, de acordo com André Pederneiras, técnico do atleta e líder da equipe Nova União.

Ao mesmo tempo, Dana White, o ( ainda ) presidente do UFC anunciava a criação do seu novo empreendimento, a Zuffa Boxing e reafirmava o seu interesse em se aventurar na promoção de lutas da ´nobre arte´ ( como também é conhecido o pugilismo ), mesmo que ainda sob o conglomerado do WME-IMG Endeavor ( os novos proprietários do Ultimate ).

White também promete continuar cuidando dos seus negócios como mandatário do UFC, ainda o maior evento de MMA do planeta.

Apesar dos dois fatos citados acima não terem nenhuma ligação entre si ( ao menos aparentemente ), estes podem ser uma indicação de algumas mudanças de paradigmas nos bastidores do mercado de lutas nos EUA e este, como acontece na maioria das vezes, poderá refletir em alterações na promoção dos eventos de lutas de boxe e MMA em algumas partes do mundo.

Depois de pagar US $ 4 bilhões para comprar o UFC, WME-IMG Endeavor planeja recuperar boa parte desse dinheiro investido na aquisição da franquia e eles estão procurando montar ´cards´ que criem novas estrelas e também estão se concentrando nos atletas mais jovens, mas também poderão fazer uso de talentos do MMA já estabelecidos no UFC, como o já citado José Aldo e a própria Cristiane “Cyborg” Justino que também já manifestou interesse em se dedicar ao boxe profissional, paralelamente à sua carreira no MMA.

Outros grandes nomes do MMA também interessados na modalidade são os irmãos Nate e Nick Diaz, que usam a ideia do boxe para negociarem melhores bolsas.

Mas, com a má fama que o UFC vem tendo de subvalorizar seus atletas, nós não sabemos se essa ideia irá vingar. Nesse cenário, o WME-IMG Endeavor seria tentado à pagar e investir mais no lado do boxe.

“Estou entrando no boxe com o Ari ( Emanuel, líder do WME-IMG Endeavor ) e o UFC vai fazer boxe também. Ainda é cedo, mas já estamos trabalhando nisso”. - declarou White, de acordo com o jornal "Los Angeles Times".

O dirigente acrescentou que já iniciou o processo de requerimento de uma licença para promover lutas de boxe, e embora admita que ainda tenha muito a aprender, esbanjou a confiança habitual sobre seu futuro no novo ramo.

A primeira vista é tudo muito bonito, mas a Zuffa Boxing poderá enfrentar uma “enxurrada” de problemas antes de se estabelecer definitivamente no novo mercado.

O primeiro destes problemas é o esforço do congressista Markwayne Mullin para expandir o Muhammad Ali Act e incluir o MMA sob essa mesma legislação.

Isso seria ampliado se os cartolas do UFC realmente investirem na promoção das lutas de boxe, pois seus lutadores e dinheiro estariam sendo usados em ambos os esportes.

O processo antitruste em curso trará novas munições, já que o UFC também estará influenciando o boxe, esporte irmão do MMA.

Por outro lado, as lutas teriam ótima visibilidade, já que os shows da Zuffa Boxing seriam incluídos no UFC Fight Pass, plataforma de transmissão online que hospeda os shows do Ultimate e de outras franquias pelo mundo, como Invicta Fighting Championships, Cage Warriors Fighting Championship, Pancrase, ( pelo lado do MMA ), Eddie Bravo Invitational e Glory Kickboxing ( nas diferentes áreas de esportes de combate ), entre outros.

Mas uma vez que o boxe disponibiliza inúmeras ofertas gratuitas na TV nós acreditamos que os fãs não irão desembolsar o seu suado dinheiro com uma taxa de assinatura mensal para assistirem aos novos talentos do boxe, mesmo que essa modalidade tenha experimentado um novo, mas pequeno crescimento recentemente.

Não é nenhum exagero dizer que os pacotes de boxe poderão ter algumas das piores vendas dentro da programação do UFC Fight Pass. As exceções, é claro, serão uma ou outra luta com qualquer grande nome da ´nobre arte´.

Ainda assim, a Zuffa Boxing poderia viver em um ambiente híbrido. Nós já vimos o exemplo do Bellator MMA ao integrar seu recém-criado ramo de kickboxing com algum sucesso financeiro através de sua série Dynamite. No entanto, o ´cage´ que está sendo posicionada ao lado do tradicional ringue de cordas causou algumas dificuldades para a experiência do público ao vivo. Além disso, a decisão de ter duas ações em curso simultaneamente retirou a possibilidade de usar lutas em qualquer esporte para chamar a atenção dos fãs para o outro. É improvável que o UFC, que historicamente tenha tido muito consciência de sua transmissão televisiva e do seu público ao vivo, siga esse caminho.

Claro, existe a opção de usar a mesma superfície de combate para o boxe e para o MMA. Afinal, os primeiros dias do MMA apresentaram muita ação em um ringue de cordas, e promoções japonesas como a Rizin Fighting Federation ainda não adotaram o “octógono”.

As regras das comissões atléticas estaduais ( nos EUA ) impedem que lutas de boxe ocorram em qualquer lugar fora de um ringue. Isso descarta algo parecido como algumas lutas de Muay Thai, que ocorrem dentro de um ´cage´ de MMA, em alguns poucos países pelo mundo.

Além das mudanças nas regras, a única outra opção seria ter as lutas do UFC dentro de um ringue. Embora isso seja algo permitido pela maioria das comissões atléticas estaduais, exigiria uma saída cultural da prática bem-estabelecida do UFC e do uso do “octógono”. Quando o Ultimate Fighting Championship fez seu retorno ao Japão para o UFC 144, White insistiu que nada seria diferente, optando por não capitalizar em cima do extinto Pride FC e da nostalgia, como o uso de um ringue e em vez disso optou em mostrar o produto padrão.

Será que Dana irá fazer uso do formato do rival Bellator ( quando da promoção do Dynamite / ou Bellator Kickboxing ) ou manterá a promoção dos seus shows em padrões e datas distintas ?

Nós estamos ansiosos para sabermos qual será o formato utilizado pelos shows promovido por White daqui para a frente.

Também não podemos esquecer que Dana começou sua jornada no mundo das lutas na área de Boston, onde dirigiu um programa de boxe enquanto agenciava lutadores, mas o seu grande sonho sempre foi ser um promotor de boxe.

Ele já anunciou que planeja conhecer algumas das personalidades mais influentes do mundo do boxe no início de 2018 – ou quase todos.

É improvável que ele tente algum acordo com Oscar De La Hoya ( Golden Boy Promotions ), Bob Arum ( Top Rank ), ou mesmo Stephen Espinoza ( Showtime ) com quem ele não parece ter um bom relacionamento, mas poderá manter parcerias em algum nível com Al Haymon ( Premier Boxing Champions ) e Leonard Ellerbe ( Mayweather Promotions ).

Essa opinião é compartilhada pelos comentaristas especializados em boxe. Para eles, Dana White só poderá se consolidar no boxe se firmar uma parceria com o PBC ou alguns dos promotores ingleses. De jeito nenhum, Golden Boy ou Top Rank trabalhariam com o cartola carequinha. E White também quer trazer o modelo do UFC para The Sweet Science.

Outro plano de White para o boxe, pelo menos no momento, é contratar o campeão Anthony Joshua para uma luta com Wladimir Klitschko e que seria válida pelo título dos pesos pesados, no mês de abril.

Contudo, um contrato com Joshua poderia fazer o WME-IMG Endeavor assumir um risco substancial e aumentar a sua dívida já monumental.

Por falar nisso, o promotor rival Bob Arum ( da Top Rank ) acredita que são outros os motivos para Dana para entrar nesse novo empreendimento.

"É um reconhecimento da força o boxe. Ele tem o UFC que está afundando, e ele precisa do boxe para sobreviver ".

"Mas se Dana White começa à promover mesmo o boxe, será fantástico", complementa Arum. “Porque provaria que mesmo sendo um esporte antigo, o boxe tem um enorme alcance entre o público jovem”.

Estas são as novidades até aqui e tudo isso é consequência da luta entre Conor McGregor e Floyd Mayweather Jr. realizada em 26 de agosto passado e que provou ser um enorme sucesso financeiro e de excelentes vendas no sistema de Pay-Per-View. A luta em questão foi o primeiro envolvimento de White em uma grande promoção de boxe.

Mas alguns veículos da mídia especializada norte-americana já temem que a Zuffa Boxing poderá fazer muito mais mal do que bem ao esporte.

Será que a “galinha dos ovos de ouro” do WME-IMG Endeavor ( UFC ) não gera mais tanto dinheiro ? Pelo andar da carruagem, parece que não.

Somando-se todos esses fatores, estes mesmos veículos de comunicação, inclusive, já sugerem que o UFC poderá ser vendido novamente, caso o WME-IMG Endeavor não consiga quitar as suas dívidas.

Tudo o que nós podemos fazer é pensar positivamente e aguardar. O tempo nos dirá até onde tudo isso nos levará.

Fonte / Créditos : Colaborador : Oriosvaldo Costa

Nota de esclarecimento pública

Website gratuito, não cobrança os nossos leitores ou visitantes, o único objetivo e a divulgação da informação e notícias reais, todos os créditos são de suas respectivas fontes e autores.

Em conformidade com as Leis:

Em conformidade com Artigo 46, I da Lei 9610/98 Brasil - Artigo 46, I da Lei 9610/98 e Lei nº 5.250 de 9 de fevereiro de 1967 - Lei 2083/53 | Lei nº 2.083 de 12 de novembro de 1953.

Para maiores informações e suporte jurídico consulte nosso advogado colaborador: Raphael Guilherme da Silva - OAB/SP Sob o Nº 316.914.

Caso discorde de algum artigo removeremos o mesmo de imediatamente e nós desculpamos de forma publica mediante uma retratação conforme a Lei se assim for solicitado.

Desde já muito obrigado.

Este portal de notícias e uma iniciativa de um Grupo de colaboradores voluntários sobre registro no Japão -目標新聞 (コネクション・ジャパン). - connectionjapan.com .

E é mantido pelos seus voluntários e colaboradores a fim de permitir que a colônia de Brasileiros possa ter acesso a essas informações de forma gratuita e a todos os demais visitantes que assim desejarem acessa nosso website.

Algumas observações na Lei n.º 9.610/98.

Uso de obra autoral para fins de estudo ou crítica;

Uso de obra autoral para exposição de um produto (por exemplo: uma loja de porta-retratos que expõe um porta-retrato contendo uma foto);

Uso de obra autoral para fim privado (se você compartihar com alguém, já não é mais uso privado!);

E outras previstas na Lei n.º 9.610/98.

« September 2021 »
Mon Tue Wed Thu Fri Sat Sun
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      

FreeCurrencyRates.com

Visitantes online

Advertising area




Contador de visitas

0.png3.png7.png8.png5.png2.png8.png
Hoje:393
Ontem:516
Últimos 7 dias:393
Mês:53966
Total:378528

Conectados simultaneamente

3
Online

20-09-21

Parceiros

Go to top