ptzh-CNenfritjakoruesvi
Saúde

Saúde (4)

É possível e seguro combinar vacinas diferentes? Alguns países no mundo já aplicam doses de dois fabricantes

Esta semana, grávidas e puérperas do Rio de Janeiro que tomaram a primeira dose da vacina Astrazeneca contra a Covid-19 foram autorizadas pelo governo estadual a receberem a segunda dose de um imunizante diferente, da Pfizer. É uma medida contrária à recomendada pelo Ministério da Saúde.

Em seguida, os estados do Rio e Ceará adotaram a mesma medida.

A decisão foi tomada pelo município do Rio e referendada por um comitê de pesquisadores, sem o respaldo do Ministério da Saúde, que recomenda que gestantes e puérperas tomem a primeira dose da Astrazenca e aguardem até 45 dias após o parto para completar o esquema vacinal.

Agora, essas mulheres que receberam a primeira dose da Astrazeneca, há mais de 12 semanas, poderão misturar as vacinas e tomar a segunda dose da Pfizer.

A decisão trouxe à tona outra discussão: é possível e seguro combinar vacinas diferentes?

Na Espanha, uma pesquisa - ainda não revisada por outros cientistas - mostrou bons resultados. Voluntários que tomaram a primeira dose de Astrazeneca e, duas semanas depois, a segunda dose da Pfizer tiveram um aumento expressivo na produção de anticorpos que, em laboratório, conseguiram inativar o coronavírus.

No Reino Unido, pesquisadores de Oxford que misturaram as doses chegaram a uma conclusão semelhante. Mas alertaram que ensaios já demonstraram um risco maior de efeitos colaterais nesse esquema misto de imunização.

Nenhum dos estudo, nem o espanhol nem o inglês envolveu grávidas.

Nas Filipinas, outro ensaio pode interessas ao Brasil, porque mescla a CoronaVac com outras seis vacinas: Pfizer, Moderna, Janssen, Astrazeneca e Sputnik. Mas, será que isso é suficiente para que o plano nacional de imunização seja alterado, e permita combinação?

Milhares depressas pelo mundo estão tomando vacinas misturadas, como no Canadá, Portugal e Coreia do Sul.

Na Alemanha, a chanceler Angela Merkel tomou a primeira dose da Astrazeneca e, a segunda, da Moderna, outra vacina produzida com a tecnologia MRNA, assim como a Pfizer.

Nos Estados Unidos, onde 70% receberam a primeira dose e 46% estão completamente imunizados, já existe um estudo para descobrir se é vantajoso dar uma terceira dose, de reforço, com uma vacina diferente.

Fonte:g1.globo.com

Visitantes terão de apresentar exame negativo de covid para entrar em Ilhabela

Medida vai vigorar a partir da sexta-feira, 26, e durante os feriados nas cidades de São Paulo e do ABC paulista

SOROCABA – A prefeitura de Ilhabela, um dos principais destinos turísticos do litoral norte de São Paulo, vai exigir que os visitantes apresentem exame negativo de covid-19 para ter acesso à ilha. A medida, divulgada na tarde desta terça-feira, 23, vai vigorar a partir de sexta-feira, 26, e durante os feriados nas cidades de São Paulo e do ABC paulista. Conforme decreto municipal, o exame RT-PCR negativo terá de ser apresentado como forma de prevenir a transmissão do vírus.

Desde o início da pandemia, em março de 2020, Ilhabela é a primeira cidade paulista a exigir exame para o acesso de visitantes. No decreto, o prefeito Antônio Colucci (PL) leva em conta que a Baixada Santista decretou lockdown até o dia 4 de abril e que os prefeitos de São Paulo, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano decretaram dez dias de feriados entre 26 de março e 4 de abril, o que poderá levar turistas a buscarem o litoral norte. "O grande fluxo de turistas durante os feriados consecutivos pode afetar o avanço da infecção humana pelo corovanírus, impactando o sistema de saúde pública municipal", diz o decreto.

A apresentação do exame será exigida a partir das 8h, no dia 26, no bolsão do embarque da travessia de balsas e catamarãs, único acesso de veículos e pessoas à cidade. A barreira contará com apoio da Polícia Militar, em especial os policiais em atividade delegada, segundo a prefeitura. Sem o exame negativo, o turista será impedido de embarcar. O exame deverá ter sido realizado no máximo 48 horas antes do embarque.

A prefeitura disse que a exigência é excepcional, com o objetivo de resguardar o interesse da coletividade na prevenção do contágio. Estão isentos da apresentação do exame os moradores do arquipélago, as pessoas vacinadas com a segunda dose e os prestadores de serviços essenciais, desde que apresentem documentação comprovatória.

Fonte: Estadão

https://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,visitantes-terao-de-apresentar-exame-negativo-de-covid-para-entrar-em-ilhabela,70003658038

Vacinados contra a covid-19 no Brasil chegam a 12,79 milhões, 6% da população

Nas últimas 24 horas, 514.178 receberam a primeira dose do imunizante. O Amazonas é o Estado onde mais vacinas foram aplicadas em números proporcionais à população

A quantidade de pessoas vacinadas contra a covid-19 com ao menos uma dose no Brasil chegou nesta terça-feira, 23, a 12.793.737, segundo dados reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa. O número representa 6,04% da população total do País. Nas últimas 24 horas, 514.178 receberam a primeira dose do imunizante.

Entre os 12,7 milhões, 4.334.905 receberam a segunda dose da vacina. O número representa 2,05% da população brasileira com a vacinação completa contra a covid-19. Nas últimas 24 horas, 92.380 pessoas receberam a dose de reforço do imunizante. Somando a quantidade de doses aplicadas pela primeira e segunda vez nos brasileiros, o País aplicou 606.558 no último dia, segundo dados fornecidos por 26 Estados.

O Amazonas é o Estado onde mais vacinas foram aplicadas em números proporcionais à população: 9,59% dos habitantes foram imunizados com ao menos a primeira dose. A porcentagem mais baixa até aqui é a do Pará, com 3,56% da população local vacinada. Em números absolutos, São Paulo vacinou 3,67 milhões de pessoas, seguido por Minas e Bahia, com 1 milhão de vacinados.

OLX é notificada por anúncio falso

Procon de SC identifica anúncio, feito a partir de Florianópolis, e cobra que a empresa responda solidariamente por propaganda enganosa; golpista cobrava R$ 5 mil por dose

FLORIANÓPOLIS - O Procon de Santa Catarina notificou o site de vendas on-line OLX por permitir a veiculação de um anúncio falso de vacina contra a covid-19. Na verdade, o que o órgão descobriu é que se tratava de um golpe e que as pessoas que eventualmente compraram o produto não receberam nenhuma vacina.

No anúncio, o vendedor afirma que trouxe algumas doses da vacina Coronavac e cobra R$ 5 mil uma dose e R$ 9 mil por duas. A localização dele é de Florianópolis, o que motivou a fiscalização do órgão estadual de proteção ao consumidor.

No documento, o órgão pede para que o OLX, que responde solidariamente pelo anúncio, suspenda imediatamente a veiculação sob pena de multa diária de R$ 100 mil e sanções administrativas. O órgão argumenta que o anúncio, entre outras infrações, fere o Código de Defesa do Consumidor, oferecendo um produto que ainda não está disponível para venda no mercado, caracterizando propaganda enganosa.

“Nós entramos em contato e tentamos fazer uma compra, foi aí que verificamos que se tratava de um golpe, por isso notificamos a OLX imediatamente para retirar do ar”, afirmou Tiago Silva, diretor do Procon SC. “No nosso entendimento isso não pode ocorrer. Apesar dos alertas, todos querem a vacina, por isso cobramos também que o site responda solidariamente”, completou.

O Procon encaminhou a notificação para as autoridades identificarem o golpista. A OLX informou que retirou o anúncio do ar “logo após sua publicação e bloqueou a conta do usuário” e se pronunciou sobre o episódio.

“A OLX esclarece que até o momento não foi notificada pelo Procon-SC, retirou o anúncio da plataforma logo após sua publicação e bloqueou a conta do usuário. A plataforma reforça ainda que não permite anúncios que ferem as regras de uso do site, os remove e bloqueia os usuários. A OLX está à disposição das autoridades para colaborar na apuração dos fatos e caso o usuário perceba que as políticas da plataforma estão sendo infringidas, conta com denúncias para investigar anúncios irregulares e removê-los”.

Fonte: Estadão

https://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,olx-e-notificada-por-anuncio-falso-de-venda-da-vacina-contra-covid-19-coronavac,70003657906

Nota de esclarecimento pública

Website gratuito, não cobrança os nossos leitores ou visitantes, o único objetivo e a divulgação da informação e notícias reais, todos os créditos são de suas respectivas fontes e autores.

Em conformidade com as Leis:

Em conformidade com Artigo 46, I da Lei 9610/98 Brasil - Artigo 46, I da Lei 9610/98 e Lei nº 5.250 de 9 de fevereiro de 1967 - Lei 2083/53 | Lei nº 2.083 de 12 de novembro de 1953.

Para maiores informações e suporte jurídico consulte nosso advogado colaborador: Raphael Guilherme da Silva - OAB/SP Sob o Nº 316.914.

Caso discorde de algum artigo removeremos o mesmo de imediatamente e nós desculpamos de forma publica mediante uma retratação conforme a Lei se assim for solicitado.

Desde já muito obrigado.

Este portal de notícias e uma iniciativa de um Grupo de colaboradores voluntários sobre registro no Japão -目標新聞 (コネクション・ジャパン). - connectionjapan.com .

E é mantido pelos seus voluntários e colaboradores a fim de permitir que a colônia de Brasileiros possa ter acesso a essas informações de forma gratuita e a todos os demais visitantes que assim desejarem acessa nosso website.

Algumas observações na Lei n.º 9.610/98.

Uso de obra autoral para fins de estudo ou crítica;

Uso de obra autoral para exposição de um produto (por exemplo: uma loja de porta-retratos que expõe um porta-retrato contendo uma foto);

Uso de obra autoral para fim privado (se você compartihar com alguém, já não é mais uso privado!);

E outras previstas na Lei n.º 9.610/98.

« September 2021 »
Mon Tue Wed Thu Fri Sat Sun
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30      

FreeCurrencyRates.com

Visitantes online

Advertising area




Contador de visitas

0.png3.png7.png8.png4.png8.png4.png
Hoje:349
Ontem:516
Últimos 7 dias:349
Mês:53922
Total:378484

Conectados simultaneamente

3
Online

20-09-21

Parceiros

Go to top