Chubu retomará voos internacionais, com entrada de até 250 estrangeiros diariamente

O aeroporto de Chubu, no centro do Japão, retomará alguns vôos internacionais a partir da próxima terça-feira, depois que as operações foram suspensas por mais de dois meses devido à disseminação do novo coronavírus, informou a operadora na quinta-feira.

A Philippine Airlines planeja fazer três vôos de ida e volta entre o aeroporto e Manila em junho e continuar o serviço até julho, embora o cronograma ainda não tenha sido decidido, afirmou o Central Japan International Airport Co.

A companhia aérea não utilizou o aeroporto de Chubu em Tokoname, sul de Nagoya, desde 23 de março.

A Finnair da Finlândia também está programada para reiniciar os voos de e para o aeroporto em julho, informou a operadora do aeroporto.

Todos os vôos internacionais foram suspensos no aeroporto desde 1º de abril devido ao surto de vírus. O aeroporto registrou 486 vôos internacionais semanais em janeiro, o maior número de todos os tempos, mas o número começou a declinar em fevereiro com os serviços para a China cancelados ou reduzidos.

“Tomaremos medidas suficientes contra infecções para garantir a segurança em nosso aeroporto”, disse um porta-voz.

O Japão planeja aliviar suas restrições de viagem ao coronavírus, permitindo a entrada de cerca de 250 viajantes estrangeiros por dia da Austrália, Nova Zelândia, Tailândia e Vietnã, disseram fontes do governo na quinta-feira.

A cota, que o Japão pretende introduzir neste verão, será aplicada inicialmente a empresários, disseram as fontes, acrescentando que a força-tarefa do governo sobre a resposta do vírus deve finalizar o plano em breve.

Atualmente, o Japão tem uma proibição de entrada em 111 países e regiões, com viajantes estrangeiros que estiveram em qualquer uma dessas áreas nas últimas duas semanas sendo recusados.

“Continuaremos a considerar cuidadosamente maneiras de retomar parcialmente (viagens internacionais) em etapas, enquanto tomamos o cuidado de impedir que as infecções se espalhem”, disse o primeiro-ministro Shinzo Abe a um comitê parlamentar.

Os viajantes estrangeiros que vierem ao Japão sob a cota deverão entregar resultados negativos de um teste de reação em cadeia da polimerase, ou PCR, realizado antes da partida e fazer outro teste quando desembarcarem no Japão.

Eles também precisarão enviar um itinerário detalhando o hotel em que estão hospedados e os locais que pretendem visitar e evitar o uso de transporte público, disseram as fontes. Eles podem ser solicitados a manter os dados do GPS em seus smartphones para facilitar o rastreamento de contatos no caso de serem infectados.

Empresários, como executivos e engenheiros, terão prioridade, com estudantes e turistas a seguir depois, disseram as fontes.

O governo também está considerando a criação de estações para realizar testes de PCR em pessoas que saem do Japão, já que alguns países começaram a abrir suas fronteiras para aqueles que fornecem resultados negativos, disseram as fontes.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores, 181 países e regiões impuseram restrições de viagem de algum tipo ao Japão, incluindo Austrália, Nova Zelândia, Tailândia e Vietnã.

Espera-se que o alívio das restrições de viagem seja mútuo e estejam sendo realizadas discussões com esses países sobre como fazê-lo sem arriscar a disseminação do COVID-19.

Detalhes como quantos de cada país serão autorizados a entrar e quão livremente eles poderão se mudar uma vez em seu destino ainda estão sendo elaborados.

O Japão escolheu os quatro países para o esquema porque eles têm o surto sob controle e devido aos seus fortes laços econômicos com o Japão, disseram as fontes.

Dependendo da situação, o governo expandirá a lista posteriormente para outros países, incluindo China, Coréia do Sul e Estados Unidos.

Fonte: Mainichi/Kyodo // Créditos da imagem: Kyodo

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments