Brasil poderá ser o país mais afetado pelo Covid-19, dizem especialistas, e sugerem cautela durante Maio

Importado pela elite brasileira vinda da Europa, o novo coronavírus está agora devastando os pobres do país, percorrendo bairros fechados onde a doença é mais difícil de controlar.

Dados da saúde pública nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Fortaleza mostram uma mudança no foco do surto, que agora afeta as regiões mais pobres dos centros urbanos brasileiros.

A mudança coincidiu com um aumento nas mortes confirmadas de coronavírus, que agora são apenas 6.000 no Brasil. Muitos cientistas apontam o maior país da América Latina como o próximo ponto de surtos mortais do COVID-19.

Pesquisadores do Imperial College London estimam que a taxa de transmissão do Brasil nesta semana será a mais alta do mundo.

Infraestrutura Desafiadora

A tendência revelada pelos dados complica a batalha do Brasil contra o vírus. Muitas favelas, como são conhecidos os labirintos de casas de blocos de concreto que constituem os bairros mais pobres, sofrem com a falta de água corrente, sistemas sépticos e instalações de saúde.

Talvez ainda mais desafiador, o estado é fraco nas favelas, com as quadrilhas de traficantes frequentemente a autoridade de fato. Isso tornaria as medidas de bloqueio difíceis de aplicar – mesmo se tivessem o apoio do líder cético do país, o presidente Jair Bolsonaro, que repetidamente encolheu os medos sobre o coronavírus e descreveu medidas estaduais e municipais para retardar sua disseminação como extrema.

Residentes em Brasilândia, um bairro pobre no extremo norte de São Paulo com o maior número de mortes por coronavírus na cidade, disseram à Reuters que os bares ainda estavam lotados e as festas de dança ao ar livre atraíam milhares de foliões nos finais de semana.

A Brasilândia só teve um caso confirmado no final de março, segundo dados da cidade, no momento em que a grande maioria dos casos estava agrupada nos distritos mais ricos do centro-oeste. O relatório mais recente desta semana mostrou 67 mortes por COVID-19.

“Para aqueles que não passaram por isso, é como se a doença não existisse”, disse Paulo dos Santos, 43 anos, que perdeu o pai para o vírus na Brasilândia.

No Rio, os bairros do Leblon, Copacabana e Barra da Tijuca foram os primeiros a sofrer no início do surto no Brasil, registrando 190 casos confirmados até 27 de março.

Por outro lado, as áreas de baixa renda de Campo Grande, Bangu e Iraja haviam relatado apenas oito casos na época.

Isso mudou na semana passada, com os bairros mais pobres registrando 66 novos casos, enquanto o trio mais rico registrou 55. A Reuters observou a mesma tendência em Fortaleza, uma capital do estado do nordeste com mais de 25.000 casos.

Apesar do crescente número de mortos, estão aumentando as solicitações para que medidas de bloqueio sejam relaxadas. Bolsonaro pressionou para reiniciar a economia, descrevendo as políticas de abrigo no local como um “veneno” que poderia matar mais com o desemprego e a fome do que com o vírus.

Nos bairros pobres, onde a fome é uma ameaça aguda, poucos estão aderindo às medidas de quarentena.

William de Oliveira, líder comunitário do bairro pobre da Rocinha, no Rio, pode recitar os nomes de vários amigos mortos pelo vírus. No entanto, ficou claro na quarta-feira que a vida continuava mais ou menos como de costume, com lojas e bares movimentados, que ele lamentava.

“Podemos reverter os problemas econômicos”, disse Oliveira, “mas não podemos reverter as mortes”.

Hospitais Lotados

O número de casos em áreas mais pobres é provavelmente muito maior do que o relatado, devido à falta de testes, disse Keny Colares, epidemiologista do hospital São José de Fortaleza. Alguns pacientes de baixa renda, ele disse, estavam aparecendo nos hospitais dias depois de terem procurado atendimento médico.

Os brasileiros pobres também são mais propensos a morrer se infectados, devido a níveis mais elevados de condições pré-existentes e menos acesso a cuidados de saúde.

No Leblon, por exemplo, apenas 2,4% dos casos confirmados resultaram em mortes – aproximadamente de acordo com as tendências globais e sugerindo uma imagem relativamente precisa dos números de infecções. Em Iraja, a taxa de mortalidade é de 16%. Na Brasilândia de São Paulo, são impressionantes 52%.

Hugo Simon, chefe da unidade de terapia intensiva para adultos do Hospital Municipal Rocha Faria, em Campo Grande, disse que o serviço público de saúde estava no seu limite. Seu hospital teve que começar a tratar casos de COVID-19 porque não há mais espaço nos hospitais originalmente designados para lidar com esses pacientes.

O número de casos COVID-19 de Campo Grande está agora entre os maiores do Rio, com 146. Duas comunidades adjacentes de baixa renda, Realengo e Bangu, também estão entre os dez piores hits dos 160 distritos oficiais do Rio.

“Isso realmente começou na Zona Sul do Rio e chegou à minha região depois”, disse Simon, referindo-se à área mais rica da cidade. “Estamos quase na capacidade máxima”.

Fonte: Reuters // Créditos da imagem: REUTERS/Ricardo Moraes

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments