简体中文 - English - 日本語 - 한국어 - Português - Español

Onna-bugeisha 女武芸者

Da ascensão ao ocaso, os samurais moldaram valores que ainda são caros aos japoneses da atualidade. Nas narrativas sobre os guerreiros, ficção e realidade se misturam para aumentar o mistério em torno deles. Menos comentado é o papel das mulheres que pertenciam a essa classe dos guerreiros.

Denominadas Onna-Bugeisha, elas raramente aparecem em textos antigos. As histórias priorizavam clãs e guerreiros do sexo masculino. No entanto, essas mulheres treinavam o manuseio de espadas e costumavam ser nomeadas Jitō (cabeça da terra), nome dado a pessoas que cuidavam e protegiam as terras enquanto os homens estavam ausentes.

女武芸者 é a denominação da mulher japonesa com treinamento em artes marciais e armas para combate. O treinamento incluía o manuseio da lança naginata e a adaga kaiken e a arte marcial tantōjutsu. Como classe de guerreira, a onna-bugeisha foi comum até o período Sengoku, no qual o status da mulher japonesa mudou de acordo com a filosofia neoconfuciana. Durante o Xogunato Tokugawa ainda havia treinamento regular para as mulheres, embora o papel fosse somente de defesa do lar e proteção pessoal. A classe deixou de existir a partir da restauração Meiji. As mais conhecidas guerreiras foram a Imperatriz Jingū, Tomoe Gozen, Hangaku Gozen e Nakano Takeko.

O principal propósito de uma Onna-bugeisha era de garantir a segurança de suas casas de vândalos e invasores, tomando ênfase no uso de armas de longo alcance que pudessem ser disparadas de estruturas defensivas. Não só isso, ao longo dos anos o uso da Naginata foi sendo associado à figura de mulheres guerreiras no Japão graças às Onna-bugeisha.

Durante os períodos Heian e Kamakura, entre os séculos 8 e 14, as guerreiras ajudaram a colonizar novos territórios – e, consequentemente, se envolviam em lutas. Para tanto, elas treinavam o uso das notórias naginatas. Era esperado, por exemplo, que elas protegessem as aldeias e principalmente suas famílias. No final do período Heian, uma mulher em particular ganharia notoriedade. Era Tomoe Gozen.

Grande parte do que se sabe sobre Gozen vem dos relatos presentes na crônica Heike monogatari (O Conto dos Heike), que narra a guerra de Genpai. De acordo com a obra, a combatente era uma excelente arqueira e domava cavalos selvagens sem dificuldade.

Suas habilidades ganharam ênfase durante a batalha de Yokotogawara, conflito no qual matou sete samurais. Em outros combates liderou exércitos bem-sucedidos. Foram tantas façanhas que Tomoe se tornou um dos símbolos das guerreiras.

Assim como os samurais homens, as mulheres guerreiras perderam espaço no século 19, com a Restauração Meiji, que tirou o poder dos xoguns e o devolveu à família real. O novo governo, controlado por burocratas da oligarquia que havia derrubado o xogunato, iniciou uma série de reformas para modernizar o Japão e formar exércitos organizados à moda ocidental.

Fonte: aventurasnahistoria.uol.com.br | pt.wikipedia.org .

Fotos: Onna Bugeisha / Crédito: Reprodução .

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments