Bolsonaro critica Papa Francisco por pedido de proteger a Amazônia

O presidente de extrema direita do Brasil, Jair Bolsonaro, criticou o papa Francisco depois que o pontífice pediu a proteção da floresta amazônica e definiu o grupo ambiental Greenpeace como “lixo”.

“O papa Francisco disse ontem que a Amazônia é dele, do mundo, de todos”, disse Bolsonaro, que muitas vezes respondeu ás críticas internacionais de suas políticas ambientais como um ataque à soberania brasileira.

“Bem, o papa pode ser argentino, mas Deus é brasileiro”.

O comentário na quinta-feira veio um dia depois que Francisco publicou um texto instando os católicos a “sentirem-se ultrajados” pela exploração dos povos indígenas e pela devastação causada pela mineração e desmatamento na Amazônia.

Os comentários também coincidiram com uma visita ao Vaticano pelo ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva – um feroz oponente de Bolsonaro. Lula se encontrou e recebeu uma bênção do papa Francisco e disse no Twitter que os dois discutiam “perspectivas de um mundo mais justo e fraterno”.

Desde que assumiu o cargo em janeiro de 2019, Bolsonaro enfrentou condenação de ambientalistas e da comunidade internacional por suas políticas sobre a maior floresta tropical do mundo, que foi devastada por incêndios recordes no ano passado.

Na semana passada, ele voltou a ser criticado por propor um projeto de lei que permitiria projetos de mineração, agricultura e hidrelétricas em terras anteriormente protegidas na Amazônia.

O desmatamento da Amazônia brasileira aumentou 85,3% no primeiro ano de mandato de Bolsonaro, para mais de 9.000 km quadrados.

Em entrevista a jornalistas fora da residência presidencial em Brasília, Bolsonaro questionou por que não houve, em sua opinião, uma reação mundial semelhante aos recentes incêndios na Austrália, que queimaram mais de 100.000 km quadrados.

“Toda a Austrália pegou fogo e ninguém está falando sobre a Austrália. Onde está o fanatismo pela Austrália? ”, Ele disse.

Bolsonaro também lançou um novo ataque ao Greenpeace.

“Como essa porcaria se chama Greenpeace? Nada além de lixo”, disse ele quando questionado sobre suas medidas para promover o que chama de “desenvolvimento sustentáve ”, abrindo áreas protegidas da Amazônia para mineração e agricultura.

O Greenpeace tem sido um crítico franco das políticas de Bolsonaro, acusando-o de uma “agenda racista e anti-ambiental” que prejudica o meio ambiente do Brasil e seus povos indígenas.

O líder brasileiro costuma responder a seus críticos com ataques vitriólicos.

Em outubro, ele tentou, sem evidências, vincular o Greenpeace a um enorme derramamento de petróleo na costa nordeste do Brasil, chamando-o de “ato terrorista”.

Fonte: Guardian // Créditos da imagem: Adriano Machado/Reuters

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments