Papa compara políticos homofóbicos a Hitler

O papa Francisco disse na sexta-feira que políticos que marcham contra homossexuais, ciganos e judeus o lembram de Hitler.

“Não é coincidência que, às vezes, haja um ressurgimento de símbolos típicos do nazismo”, disse Francis em um discurso aos participantes de uma conferência internacional sobre direito penal.

“E devo confessar a você que, quando ouço um discurso de alguém responsável pela ordem ou pelo governo, penso nos discursos de Hitler em 1934, 1936”, disse ele, partindo de seu discurso preparado.

“Com a perseguição de judeus, ciganos e pessoas com tendências homossexuais, hoje essas ações são típicas representam por excelência uma cultura de desperdício e ódio. Foi o que foi feito naqueles dias e hoje está acontecendo novamente”.

Durante o regime nazista de 1933-45 na Alemanha, seis milhões de judeus foram mortos e homossexuais e ciganos estavam entre os enviados para campos de extermínio.

O papa Francisco não nomeou nenhum político ou país como alvo de suas críticas.

Ressurgimento Preocupante

No Brasil, o presidente Jair Bolsonaro tinha um histórico de fazer declarações públicas homofóbicas, racistas e sexistas antes de assumir o cargo em 1º de janeiro. Ele disse a um entrevistador que preferia ter um filho morto do que um filho gay.

Em maio, o sultão Hassanal Bolkiah do Brunei estendeu uma moratória à pena de morte à legislação que proíbe o sexo gay, buscando amenizar uma reação global liderada por celebridades como George Clooney e Elton John.

As Nações Unidas alertaram Brunei de que estaria violando os direitos humanos ao implementar leis islâmicas que permitiriam a morte por apedrejamento por adultério e homossexualidade.

Nas últimas semanas, o Papa Francisco também denunciou um ressurgimento do anti-semitismo na Europa.

Na quarta-feira, em comentários improvisados ​​em sua audiência geral, ele disse: “Hoje o hábito de perseguir judeus está começando a renascer. Irmãos e irmãs: isso não é humano nem cristão; os judeus são nossos irmãos e irmãs e não devem ser perseguidos! Entendido?”

Na semana passada, um cardeal do Vaticano disse que estava “enojado” por abuso anti-semita dirigido a um senador italiano de 89 anos e sobrevivente do Holocausto, que recebeu proteção policial após receber ameaças de morte.

Em julho, um estudo da União Europeia disse que jovens judeus europeus experimentam mais anti-semitismo do que seus pais, com um aumento no abuso de emails, mensagens de texto e publicações nas mídias sociais.

Mais de 80% dos judeus de todas as idades disseram que sentiram que o anti-semitismo havia aumentado na Internet nos últimos cinco anos e cerca de 70% disseram que enfrentavam mais hostilidade em público, segundo o estudo.

Fonte: Reuters

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.