Toneladas de resíduos do tufão no. 19 chegam ás praias japonesas

Montanhas de resíduos e detritos estão agora aparecendo na costa do Pacífico e ameaçando várias áreas de pesca e outras indústrias marítimas.

Os esforços de limpeza estão em andamento, mas autoridades locais de várias prefeituras dizem que a tarefa é tão grande que eles precisarão da ajuda do governo central.

Em uma praia em Oiso, na província de Kanagawa, uma enorme quantidade de madeira e lixo foi levada para a praia, incluindo sacolas plásticas, linhas de pesca, caixas para celulares, garrafas e bolas de golfe.

A pedido da Fundação Ambiental Costeira de Kanagawa, os trabalhadores tentam limpar a área. Eles estão separando o lixo de plástico manualmente e removendo toras e outros itens grandes com máquinas pesadas.

A fundação estimou que o tufão no. 15 em setembro fez com que cerca de 180 toneladas de lixo chegassem às praias da prefeitura.

“O volume de lixo desta vez é bem maior que o do tufão 15”, disse Atsuo Konno, 63 anos, encarregado dos trabalhos de limpeza da fundação. “Não posso nem estimar quando terminaremos o trabalho.”

Yasuo Nihei, professor da Universidade de Ciências de Tóquio, especialista em hidráulica ambiental, disse que uma quantidade considerável de lixo, incluindo lixo plástico, é transportada dos rios durante fortes chuvas.

Mas o plástico não é a única coisa que suja a costa.

Óleo também é perigoso

Na Baía de Tóquio, um grande volume de lixo foi desviado para áreas costeiras que se estendem de Yokosuka, na província de Kanagawa, a Futtsu, na província de Chiba.

Nos resíduos nessas duas cidades haviam algumas das 61 toneladas de petróleo pesado que vazaram de um navio de carga que afundou Kawasaki durante a tempestade de 12 de outubro, de acordo com a 3ª sede regional da Guarda Costeira da Guarda Costeira do Japão.

No cabo Futtsu, lixo foi visto em uma seção de dois quilômetros da costa em 17 de outubro. O lixo incluía uma placa de “não jogar golfe” do escritório de administração do rio Tamagawa em Kawasaki e outra placa provavelmente de Hachioji, no oeste de Tóquio.

O lixo cobria um local de escavação de mariscos, cercava um porto de pesca e se estendia até o oceano.

SUBSÍDIOS NECESSÁRIOS PARA A LIMPEZA

De acordo com o ministério da terra e da pesca, as prefeituras de Miyagi, Fukushima, Ibaraki, Chiba e Kanagawa pretendem solicitar subsídios para lidar com o lixo do tufão 19.

Cada município costuma cuidar do lixo nas praias. Mas eles precisam primeiro remover o teor de sal dos resíduos para evitar danos aos incineradores. Se o lixo não é separado, é considerado como resíduo industrial e custa mais para o descarte.

As chuvas torrenciais que atingiram o oeste do Japão em julho de 2018 transportaram uma quantidade tão grande de lixo para o oceano que as indústrias pesqueiras das regiões de Chubu a Kyushu foram afetadas.

Em julho de 2017, quando fortes chuvas atingiram partes do norte de Kyushu, um grande volume de madeira flutuante, areia e terra fluiu para o Mar Ariake, resultando em avarias nos navios de pesca e na morte de um número incontável de amêijoas.

No ano fiscal de 2017 e 2018, pelo menos 40.000 metros cúbicos de lixo à deriva foram coletados de áreas principalmente nas regiões atingidas pelas enchentes.

Fonte: Asahi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.