Doença afeta árvores em Tohoku, ameaçando patrimônio da UNESCO

Uma doença está fazendo com que as árvores murchem perto de um Patrimônio Mundial da UNESCO, ameaçando o ecossistema local e arruinando a famosa folhagem de outono na fronteira das prefeituras de Aomori e Akita.

Imagens aéreas mostram folhas nas florestas no sopé das montanhas Shirakami que ficaram vermelhas e murchas, um sinal revelador da doença.

A condição é causada por besouros de ambrosia, que carregam um tipo de molde conhecido como Raffaelea quercivora em seus corpos.

O molde invade os troncos das árvores de folhas largas, como o carvalho japonês, o chinquapin, e outros tipos de carvalho, e bloqueia o fluxo de água no interior. Isso faz com que as árvores murchem.

De acordo com o governo da província de Aomori, apenas 85 árvores foram confirmadas afetadas pela doença na cidade de Fukaura, na província entre julho de 2016 e junho de 2017. Mas o número subiu subitamente para 2.409 no período de julho de 2018 a junho de 2019.

Como não existem medidas preventivas eficazes contra a doença, as árvores infectadas devem ser cortadas ou fumigadas.

Mas as árvores precisam ser tratadas uma a uma. E é extremamente difícil lidar com árvores infectadas que estão em encostas íngremes ou nas montanhas, tornando quase impossível impedir completamente a propagação da doença.

As autoridades estão preocupadas que a condição possa atingir o cerne da cordilheira Shirakami, que em 1993 foi nomeada Patrimônio Natural da Humanidade pela UNESCO, e danificar o ecossistema local.

Ritsuko Hamada, 55, membro de uma organização sem fins lucrativos que estuda animais e plantas em Shirakami há mais de 10 anos, disse que as nozes de carvalhos japoneses são uma importante fonte de alimento para ursos e camundongos.

“Se as árvores continuarem a murchar, o equilíbrio de todo o ecossistema nas montanhas Shirakami poderá ser estragado”, disse Hamada.

Masa Abo, 92 anos, que vive no distrito de Omagoshi em Fukaura e cultiva batatas brancas e doces, disse que hordas de ratos que foram expulsos das florestas pela doença das árvores estão invadindo assentamentos humanos próximos.

“As colheitas que eu cuidadosamente cultivei foram picadas por ratos”, disse Abo, referindo-se aos danos sem precedentes às batatas em um campo agrícola. “Pode não haver nada para comer nas montanhas”.

Fonte: Asahi

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments