Venezuela investiga Guaido por foto com suspeitos de crimes colombianos

A promotoria da Venezuela disse na sexta-feira que abriria uma investigação sobre Juan Guaido depois que o ministro do Interior apresentou fotos na televisão estatal mostrando o líder da oposição na companhia de dois supostos membros de um grupo colombiano de narcotráfico.

Guaidó disse na sexta-feira que os dois homens pediram para tirar uma foto com ele quando ele atravessou secretamente a Colômbia da Venezuela em fevereiro, por uma rota informal na fronteira, depois que um tribunal venezuelano o impediu de deixar o país.

Ele negou saber quem eram os homens. “Não pedimos o registro criminal deles para tirar uma foto”, disse ele a repórteres em Caracas.

O ministro do Interior da Venezuela, Nestor Reverol, disse na televisão estatal que os dois homens eram líderes de uma “organização paramilitar colombiana” chamada Rastrojos. Reverol disse que enviaria as fotos como evidência para o Ministério Público, que mais tarde abriu a investigação.

Fontes policiais colombianas confirmaram que os homens eram membros do Rastrojos, um grupo criminoso formado por ex-paramilitares que se envolvem no narcotráfico em todo o país, inclusive ao longo da fronteira venezuelana.

Guaidó atravessou a Colômbia antes de uma tentativa apoiada pelos EUA em 23 de fevereiro de enviar caminhões carregados com ajuda humanitária para a Venezuela a partir da cidade fronteiriça colombiana de Cucuta. O presidente venezuelano Nicolas Maduro, no entanto, ordenou o fechamento da fronteira e disse aos militares para bloquear a entrada da ajuda.

Na época, não estava claro como Guaido havia atravessado a fronteira. Ele apareceu em um concerto de ajuda de Cucuta em 22 de fevereiro, vestido com as mesmas roupas que ele usava na foto com os dois homens.

Maduro, em um discurso mais tarde na sexta-feira, disse que as fotos eram evidência de um “tremendo escândalo”, alegando que mostravam que Guaido tinha uma “aliança criminosa com uma gangue de traficantes de drogas”.

O presidente colombiano Ivan Duque procurou minimizar o significado das fotos e elogiou Guaido. “Além de haver fotos ou não, se ele cumprimentou ou não cumprimentou muita gente … quero enfatizar quem ele é. Ele é um titã, um herói que luta pela democracia de seu país ”, disse Duque a repórteres.

Guaido assumiu uma presidência interina em janeiro, depois de denunciar Maduro como ilegítimo por garantir um segundo mandato no ano passado em uma eleição amplamente vista como fraudulenta. A maioria das nações ocidentais agora reconhece Guaido como o legítimo líder da Venezuela, embora Maduro o rotule de fantoche dos EUA.

Fonte: Reuters

In this article

Join the Conversation

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.