Koizumi se torna o ministro mais jovem do Japão pós-guerra

O primeiro-ministro Shinzo Abe, que também atua como presidente do Partido Liberal Democrático, está tentando manter a “estabilidade”, não alterando os membros principais de seu governo na remodelação de seu gabinete e executivos do partido, enquanto também demonstra a capacidade de “desafiar” nomeando legisladores jovens e em meio de carreira, como Shinjiro Koizumi, da Câmara dos Deputados.

Aparentemente, Abe está lidando com final de seu mandato como líder do partido em setembro de 2021, dando os retoques finais em seu longo período no poder.

3º ministro mais jovem do pós-guerra

Políticos do PDL ficaram animados na noite de terça-feira, depois de assistir a uma reportagem na televisão prevendo a nomeação de Koizumi para o Gabinete pela primeira vez. “É uma grande surpresa [na remodelação]”.

Koizumi foi eleito para a câmara baixa em 2009, herdando o território de seu pai, ex-primeiro-ministro Junichiro Koizumi. Atualmente em seu quarto mandato, o homem de 38 anos é o terceiro mais jovem ministro do Gabinete indicado desde o final da Segunda Guerra Mundial.

Com uma reputação de realizar comentários críticos e controversos, Koizumi é bem conhecido entre o público. No entanto, porque ele apoiou o ex-secretário geral do PDL, Shigeru Ishiba, em sua tentativa de derrotar Abe na eleição de liderança do partido em setembro passado, muitos membros do partido acreditavam que ele não receberia um cargo no gabinete desta vez.

Acredita-se que Abe tenha nomeado Koizumi porque o jovem legislador transmite fortemente o aspecto de “desafio” do objetivo de Abe de apresentar uma “forte linha de estabilidade e desafio” nesta rodada de nomeações de pessoal, bem como o desejo de incentivar a competição entre seus potenciais sucessores.

Durante o governo Junichiro Koizumi, Abe foi nomeado secretário geral do PDL em 2003, apesar de estar apenas em seu terceiro mandato na câmara baixa. Ele foi então nomeado secretário do gabinete em 2005 e tornou-se primeiro-ministro em 2006, culminando sua rápida ascensão ao poder.

“Se Shinjiro pode construir um histórico como ministro do gabinete, eu posso vê-lo concorrendo na próxima eleição presidencial [PDL]”, disse uma autoridade sênior do PDL.

O Gabinete também dará a Koizumi um local para enfrentar novos desafios.

Até agora, ele aprimorou suas habilidades de formulação de políticas como presidente da Divisão de Agricultura e Florestas do PDL e da Divisão de Saúde, Trabalho e Bem-Estar. No entanto, os ministros precisam de uma ampla gama de habilidades, como negociações diplomáticas, coordenação doméstica e respostas a perguntas da Dieta. Como membro do Gabinete, ele precisará ser mais cauteloso em suas declarações.

Além de Koizumi, Abe nomeou outros candidatos “pós-Abe” para cargos importantes.

Na formação executiva do partido, o presidente do Conselho de Pesquisa Política, Fumio Kishida, manteve seu cargo e Yoshihide Suga permanece como secretário-chefe do gabinete. Toshimitsu Motegi foi transferido do ministro de estado da revitalização econômica para ministro das Relações Exteriores, e Katsunobu Kato foi nomeado para liderar o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar, passando do presidente do Conselho Geral do partido.

Muitos legisladores em meio de carreira receberam cargos no Gabinete. De uma facção do PDL liderada por Hiroyuki Hosoda, a facção à qual Abe também pertence, Yasutoshi Nishimura foi transferido do vice-secretário do gabinete para ministrar a revitalização econômica. Isshu Sugawara, um legislador não afiliado e ex-ministro das Finanças do estado (a segunda posição mais alta no ministério), recebeu o importante cargo de ministro da economia, comércio e indústria.

Atenção dentro do partido

Enquanto isso, a administração manteve seu eixo central. No gabinete, Taro Aso continuará como vice-primeiro ministro e ministro das Finanças, e na liderança do partido, Toshihiro Nikai continuará sendo o secretário geral.

Para chefiar o Conselho Geral do partido, Abe nomeou Shunichi Suzuki, ex-ministro dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Tóquio, conhecido por suas habilidades de coordenação, enquanto Hakubun Shimomura mudou do presidente da sede do partido para a promoção da revisão da Constituição para chefiar a eleição. Comitê de Estratégia.

Abe considerou a possibilidade de alocar posições para facções que o apoiaram nas eleições presidenciais do ano passado.

Uma facção liderada por Wataru Takeshita não recebeu nenhum dos quatro principais cargos do partido, embora os membros da facção Motegi e Kato tenham se tornado membros importantes do Gabinete. Da facção de Nobuteru Ishihara, Hiroshi Moriyama foi mantido como chefe do Comitê de Assuntos Dietéticos. Com a remoção de Takashi Yamashita como ministro da Justiça, a facção Ishiba agora não tem postos no Gabinete.

Fonte: Yomiuri Shimbun

In this article

Join the Conversation

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.