Polícia apoia ação contra estudante protestava em Saitama

A polícia da província de Saitama defendeu as ações de seus oficiais em 24 de agosto de remover à força um estudante universitário que estava debochando antes da aparição do ministro da Educação em apoio a um candidato governamental de Saitama.

“Os policiais o impediram de tomar uma ação perigosa de pular na rua”, disse a polícia da prefeitura em 2 de setembro.

De acordo com a polícia da prefeitura, o incidente ocorreu em frente à estação JR Omiya por volta das 19h. em 24 de agosto.

O estudante universitário, que estava levantando um cartaz e gritando em oposição ao plano do governo de reformar os exames de admissão na universidade, tentou pular uma cerca que separava uma rua e uma calçada.

Três policiais o agarraram e o puxaram vários metros para a calçada.

“Não pule porque é perigoso”, um dos policiais o alertou.

Quando o incidente ocorreu, o ministro da Educação, Masahiko Shibayama, ainda não havia chegado ao local. Outro orador estava falando em apoio a um candidato apoiado pelo Partido Liberal Democrata que concorria nas eleições de 25 de agosto em Saitama.

Na Internet, foram publicadas críticas sobre a ejeção de um manifestante dizendo: “(Polícia) removeu um estudante universitário que estava protestando contra o ministro da Educação de (um local de) discurso público”.

Shibayama disse no Twitter: “Os gritos (do estudante universitário) claramente podem ser ouvidos por todos na cena”.

O ministro da Educação também disse em uma entrevista coletiva em 27 de agosto: “Eu acho que não se pode dizer que gritar (nos locais dos discursos) é um direito garantido”.

Ele acrescentou: “A liberdade de expressão deve ser garantida no máximo. Mas o bom andamento e as atividades de liberdade de eleição também são muito importantes. ”

O estudante universitário disse ao The Asahi Shimbun: “Falei com alunos que estão confusos devido a reformas nos exames de admissão na universidade. Mas minha voz foi negada por ser ouvida, porque era uma ‘voz de grito’. Não posso aceitar isso. ”

Ele também disse: “Eu queria apelar diretamente ao ministro da Educação, pois os esforços para reformar os exames de admissão estão se tornando plenos.”

Hiroyuki Eda, um oficial sênior da polícia da província de Saitama, disse: “Se (o estudante da universidade) estiver em uma estrada e obstruir o tráfego, esses atos podem constituir uma violação da Lei de Tráfego Rodoviário”.

“A lei sobre a implementação de suas funções pelos policiais estipula que eles podem interromper os atos das pessoas se os atos puderem levar a crimes. Portanto, achamos que as ações (dos três policiais) não foram ilegais”.

Fonte: Asahi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.