Judoca iraniano teme pela vida, diz que não voltará para casa

Um judoca iraniano está se recusando a voltar para casa por medo de sua segurança, depois que ele ignorou as ordens de sua federação nacional para desistir de lutas para evitar um possível encontro final com um israelense, disse a Federação Internacional de Judô nesta segunda-feira.

A IJF disse que Saeid Mollaei foi pressionado pelas autoridades iranianas a abandonar suas quartas de final e semifinal no campeonato mundial de judô em Tóquio na semana passada para evitar lutar com Sagi Muki, de Israel, na final.

“Eu preciso de ajuda. Mesmo que as autoridades do meu país tenham me dito que posso voltar sem problemas, tenho medo. Tenho medo do que pode acontecer com minha família e comigo mesmo ”, afirmou ele em comunicado da IJF.

A IJF disse que Mollaei foi repetidamente ordenado a se retirar das lutas para evitar a chance de ataques com israelenses, tanto pelo Comitê Olímpico Nacional do país quanto pelo governo, e que o pessoal de segurança foi enviado para sua casa no Irã.

“Poucos minutos antes da disputa [das quartas de final], o treinador iraniano recebeu uma ligação de seu país”, afirmou a IJF em seu site.

“Do outro lado da linha, o primeiro vice-ministro do esporte iraniano, Davar Zani, deu a ele a ordem de retirar Mollaei da competição para evitar uma disputa potencial entre Irã e Israel”, acrescentou.

A IJF disse que o presidente do Comitê Olímpico Nacional do Irã também contatou Mollaei antes de sua semifinal, perdida pelo atleta, para pedir que ele se retire.

“Saeid Mollaei está atualmente sob risco e a FIJ espera encontrar a melhor solução para permitir que um campeão continue fazendo o que faz de melhor: competir independentemente do que e sem qualquer tipo de discriminação”, afirmou o comunicado da FIJ.

O Comitê Olímpico Internacional disse que analisaria o assunto. “Depois de conhecer o caso, o COI solicitou um relatório completo da IJF”, disse um breve comunicado do COI. “Com base neste relatório, avaliaremos melhor a situação.”

O comitê olímpico do Irã não pôde ser encontrado para comentar.

Esta não é a primeira vez que atletas de nações árabes ou do Irã recebem ordens para desistir ou se recusar a competir com atletas israelenses nas Olimpíadas ou em outras competições internacionais.

Nas Olimpíadas de Atenas de 2004, o campeão mundial iraniano Arash Mirasmaeili se recusou a lutar contra a judoca israelense Ehud Vaks, recebendo elogios em casa. No Rio de Janeiro de 2016, a judoca egípcia Islam El Shehaby foi mandada para casa depois de se recusar a apertar a mão do israelense ou Sasson após o fim da luta.

Desde sua Revolução Islâmica, em 1979, o Irã se recusou a reconhecer Israel e os dois são arqui-inimigos há décadas.

Fonte: Reuters

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments