Colecionador japonês retorna artefatos antigos para o Camboja

Artefatos cambojanos milenares expostos na casa de um colecionador japonês por duas décadas foram devolvidos ao Museu Nacional do país do Sudeste Asiático.

Os 85 artefatos são em sua maioria pequenos itens de bronze e incluem estátuas de Buda e do deus hindu Shiva, além de potes, cerâmicas e jóias. O Ministério da Cultura do Camboja diz que alguns itens foram produzidos antes da era de Angkor, que começou por volta de 800 d.C. Outros datam da época de Angkor ou logo após o fim do século XIV.

O Camboja tem feito intensos esforços para recuperar artefatos saqueados durante sua guerra civil na década de 1970.

Em uma recepção oficial para os artefatos na sexta-feira, Prak Sonnara, secretário de Estado do Ministério de Cultura e Belas Artes, elogiou o colecionador japonês por devolver voluntariamente os artefatos. Ele disse que suas ações definiram uma boa amostra para outros países e colecionadores seguirem.

O colecionador, Fumiko Takakuwa, disse a jornalistas após a cerimônia de entrega que ela e seu marido compraram os itens no Japão e gostaram de colecioná-los e exibi-los em sua casa. Mas ela sabia que eles eram originalmente do Camboja e é por isso que ela os devolveu.

“Meu marido disse antes de morrer que esses artefatos precisam ser devolvidos ao Camboja, e hoje estou feliz que o fiz”, disse Takakuwa.

Parte dos 85 artefatos são exibidos antes da cerimônia de entrega no Museu Nacional, em Phnom Penh, no Camboja, na sexta-feira. Foto: AP / Heng Sinith

Prak Sonnara disse que os 85 itens teriam sido roubados dos templos do Camboja durante a guerra, quando saques intensos ocorreram e objetos de valores foram contrabandeados pela vizinha Tailândia.

Uma lei cambojana de 1993 proibia a remoção de artefatos culturais sem a permissão do governo. A lei obriga fortemente os proprietários de itens retirados do exterior após essa data para devolvê-los. Mas também há consenso geral no mundo da arte de que peças foram adquiridas ilegitimamente se fossem exportadas sem documentação clara e válida depois de 1970 – o ano de um acordo cultural das Nações Unidas que visa o tráfico de antiguidades.

Em 2014, três estátuas de 1.000 anos de idade, retratando a mitologia hindu, foram acolhidas no Camboja depois de saqueadas de um templo e colocadas em coleções de arte ocidentais.

Também em 2013, duas estátuas de pedra cambojanas do século 10 exibidas por quase duas décadas no Museu Metropolitano de Arte de Nova York foram devolvidas à sua terra natal em um caso de alto perfil de artefatos supostamente saqueados.

Fonte: The Associated Press