Um maior número de Sul Coreanos tem uma boa impressão do Japão

O amor da Coréia do Sul pelo Japão está mais forte do que nunca, mas o sentimento do lado japonês parece estar diminuindo, mostrou uma pesquisa recente.

Os resultados da pesquisa de opinião realizada anualmente por organizações privadas no Japão e na Coréia do Sul, desde 2013, revelaram as percepções divergentes, com os principais fatores incluindo a questão dos trabalhadores em tempo de guerra e, do lado positivo, um aumento nas viagens entre os países.

A organização sem fins lucrativos Genron NPO e o instituto de pesquisa sul-coreano East Asia Institute anunciaram os resultados da pesquisa em uma coletiva de imprensa em Tóquio em 12 de junho.

A pesquisa foi realizada de meados de maio a início de junho, reunindo dados de cerca de 1.000 entrevistados em cada país.

Na pesquisa, 20% dos entrevistados japoneses disseram que sua impressão sobre a Coréia do Sul é “boa”, um recorde de baixa, em contraste com a alta recorde de 31,1% em 2013.

Ao mesmo tempo, 31,7 por cento dos entrevistados sul-coreanos disseram que sua impressão sobre o Japão é “boa”, um recorde. O valor foi de 12,2% em 2013, um recorde de baixa.

Perguntados quais eram as razões por trás de impressões negativas do outro país, 52,1% dos entrevistados japoneses citaram as contínuas críticas da Coreia do Sul ao Japão por questões históricas.

Enquanto isso, 76,1 por cento dos sul-coreanos que participaram da pesquisa disseram que o Japão não refletiu com precisão sua história de invasão.

Com relação à decisão da Suprema Corte sul-coreana de ordenar que as firmas japonesas compensem trabalhadores que se mobilizaram para trabalhar para as empresas durante a Segunda Guerra Mundial, 75,5 por cento dos sul-coreanos disseram apoiá-los, enquanto 58,7 por cento dos japoneses não o fizeram.

Mais de 10 milhões de japoneses e sul-coreanos viajaram entre os dois países no ano passado.

Yasushi Kudo, presidente da Genron NPO, disse: “Os sul-coreanos foram capazes de evitar uma deterioração do sentimento positivo em relação ao Japão através do aprofundamento das interações”.

Fonte: Asahi