Procuradores acrescentam pagamento saudita à acusação contra Ghosn

Os promotores reviram uma acusação contra o ex-presidente da Nissan Motor Co., Carlos Ghosn, para incluir alegações de que ele recebeu US $ 20 milhões de um empresário saudita em outubro de 2008, quando Ghosn estava transferindo perdas pessoais para a montadora.

Naquela época, US $ 20 milhões valiam cerca de 2 bilhões de ienes.

O Escritório do Ministério Público do Distrito de Tóquio disse que pediu ao Tribunal Distrital de Tóquio para aprovar a revisão em 14 de maio.

Ghosn, de 65 anos, foi indiciado em janeiro por uma acusação de violação agravada de confiança. Os procuradores acusaram-no de transferir um contrato de investimento pessoal para a Nissan em outubro de 2008, resultando em perdas não realizadas de cerca de 1,85 milhão de ienes para a empresa.

A decisão veio depois que o colapso do banco de investimento americano Lehman Brothers desencadeou uma crise financeira global, de acordo com a acusação.

Quando ele devolveu o contrato para si mesmo, Ghosn transferiu ilegalmente US $ 14,7 milhões entre 2009 e 2012 de uma subsidiária da Nissan para Khaled Juffali, que cooperou fornecendo uma garantia de crédito no valor de cerca de 3 bilhões de ienes, disseram os investigadores.

Em relação à acusação, os promotores acrescentaram que quando Ghosn transferiu o contrato de investimento pessoal para a Nissan, ele recebeu US $ 20 milhões de uma empresa de propriedade da Khaled Juffali.

Os promotores também acrescentaram detalhes sobre a garantia de crédito de cerca de 3 bilhões de ienes.

Fonte: Asahi

Anúncios

Deixe uma resposta