UNESCO recomenda tumbas de Osaka como Patrimônio da Humanidade

Um painel consultivo da UNESCO recomendou a inclusão de um grupo de tumbas antigas na província de Osaka na lista do Patrimônio Cultural da Humanidade, anunciou terça-feira a Agência de Assuntos Culturais do Japão.

Coletivamente chamados de aglomerados tumulares Mozu-Furuichi, os locais devem ser oficialmente aprovados em uma reunião do Comitê do Patrimônio Mundial a partir de 30 de junho no Azerbaijão.

O grupo de túmulos, ou kofun em japonês, foi construído do final do quarto ao final do quinto século – no auge do período Kofun (cerca de 300 a 710) – na planície sul de Osaka, que era um centro político na A Hora.

Ao total são 49 túmulos Mozu-Furuichi de várias formas e tamanhos, incluindo túmulos retangulares na faixa de 20 metros. Eles também incluem o maior montículo em forma de buraco de fechadura do país: o mausoléu do Imperador Nintoku, também conhecido como Daisen Kofun, que tem 486 metros de comprimento.

Os locais estão espalhados em duas áreas: os aglomerados Mozu na cidade de Sakai que incluem o mausoléu do Imperador Nintoku e os aglomerados de Furuichi espalhados pelas duas cidades de Habikino e Fujiidera que incluem o mausoléu do Imperador Ojin – também conhecido como Kondagobyoyama Kofun – segunda maior no Japão com um comprimento de 425 metros.

O Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS) elogiou os locais por refletirem práticas funerárias sofisticadas e a estrutura política e social estratificada do período. Ele também disse que a maneira pela qual os sites foram preservados e gerenciados justifica sua recomendação.

Houvera a preocupação de que o status quo de não permitir que cientistas entrassem nos mausoléus dos locais, em princípio, para identificar o falecido dificultaria os esforços para provar o valor dos locais como Patrimônio da Humanidade. No entanto, nenhuma reclamação foi levantada pelo ICOMOS.

Nos últimos anos, quase todos os sites recomendados pelo ICOMOS foram adotados pelo comitê para serem registrados como Patrimônio da Humanidade.

Se adotados, os grupos tumulares serão o 19º local no Japão a serem reconhecidos como patrimônio cultural depois de “Locais Cristãos Ocultos na Região de Nagasaki” nas prefeituras de Nagasaki e Kumamoto no ano passado. Se os ativos naturais forem incluídos, os clusters se tornarão o 23º Patrimônio Mundial do Japão em geral.

Fonte: Yomiuri Shimbun

Anúncios

Deixe uma resposta