In this Wednesday, March 20, 2019 photo, a police officer demonstrates mini-spy cameras installed at hair dryer, as he is shown on a screen, center rear, at a police station in Seoul, South Korea. South Korean police on Thursday, March 21, 2019, say they've arrested four people on suspicion of secretly filming about 1,600 guests in hotel rooms and posting or streaming the footage on the internet. The Korean National Police Agency said Thursday the four men are accused of installing mini-spy cameras in TV set-top boxes, hair dryers or electrical outlets in 42 rooms in 30 hotels throughout South Korea.(Yun Dong-jin/Yonhap via AP)

Câmeras espiãs filmaram 1.600 hóspedes de hotéis na Coréia do Sul

A polícia sul-coreana prendeu dois homens por usarem câmeras espiãs ilegais em motéis para filmar e transmitir vídeos de cerca de 1.600 convidados, arrecadando cerca de 7 milhões de won (6.200 dólares) nos últimos três meses, disse a polícia na quarta-feira.

As filmagens ilegais aumentaram na Coreia do Sul com o uso crescente de dispositivos móveis. Sua indústria de música pop está se recuperando de um escândalo sobre o compartilhamento de vídeos de uma celebridade que ele fazia secretamente enquanto fazia sexo.

A polícia disse que os dois homens que eles prenderam e outras duas pessoas se apresentaram como convidados do motel para instalar secretamente as câmeras, obtidas on-line do exterior, em 42 salas de 30 estabelecimentos em todo o país desde agosto.

As imagens das câmeras, escondidas em caixas de televisão, tomadas e secadores de cabelo, foram transmitidas ao vivo em um site, segundo a polícia.

“Foi o primeiro caso que pegamos onde os vídeos foram transmitidos ao vivo pela Internet”, disse a polícia em um comunicado.

Mais de 6.600 casos de filmagem ilícita foram reportados à polícia no ano passado, ou cerca de um quinto de todos os casos de abuso sexual investigados, acima dos 3,6% em 2008, disseram os promotores.

No ano passado, dezenas de milhares de mulheres foram às ruas de Seul para protestar contra vídeos ilícitos e outras formas de abuso sexual e violência, e para exigir punições mais rigorosas.

A lei foi alterada em novembro passado para endurecer as penas não apenas para filmagens ilegais, mas também para a distribuição de imagens sem o consentimento, o que poderia trazer penas de prisão de até cinco anos ou multas de até 30 milhões de won.

Fonte: Reuters

Anúncios

Deixe uma resposta