U.S. President Donald Trump speaks at the Conservative Political Action Conference (CPAC) annual meeting at National Harbor in Oxon Hill, Maryland, U.S., March 2, 2019. REUTERS/Joshua Roberts

Senado votará contra ‘emergência nacional’ de Trump, diz líder republicano

O líder da maioria republicana no Senado dos Estados Unidos, Mitch McConnell, reconheceu nesta segunda-feira, 4, a altíssima probabilidade de que a Câmara alta rejeite a “emergência nacional” decretada pelo presidente Donald Trump.

Em 26 de fevereiro, a Câmara baixa, controlada pela oposição democrata, já havia votado contra essa medida de exceção que permite ao presidente eludir o Congresso para desbloquear fundos destinados a financiar a construção de um muro na fronteira com o México para impedir a imigração clandestina.

O Senado, onde os republicanos controlam 53 das 100 cadeiras, deve se pronunciar a respeito nos próximos dias, em uma data ainda não determinada.

Quatro senadores republicanos já anunciaram que votarão junto com os democratas contra a “emergência nacional”, enquanto outros se mostraram incomodados pelo decreto de Trump, que, em sua visão, excedeu os poderes do Executivo.

Com essas deserções, a resolução que proclama a anulação da emergência nacional declarada por Trump em 15 de fevereiro de 2019 alcançará a maioria necessária para ser adotada.

De qualquer forma, para que essa lei entre em vigor, Donald Trump deve assiná-la. O presidente já anunciou que não fará isso e que irá vetá-la. Nesse caso, parece improvável que o Congresso possa suspender o veto presidencial, para o qual é necessária uma maioria de dois terços em ambas as Câmaras.

“No Senado, o que parece claro é que há votos suficientes para adotar uma resolução de desaprovação (da emergência nacional), que será então vetada pelo presidente”, disse McConnell. O veto, muito provavelmente, será posteriormente “mantido pela Câmara”.

“Eu estava entre os que esperavam que o presidente não escolhesse a opção da ‘emergência nacional’”, declarou o senador em entrevista coletiva em Louisville, Kentucky, estado que ele representa.

McConnell admitiu sua preocupação de que, no futuro, um presidente democrata possa imitar Trump para eludir o Congresso em questões polêmicas.

Fonte: AFP| Reuters ( Joshua Roberts )

Anúncios

Leandro | レアンドロ・フェレイラ

Webmaster, programador, desenvolvedor e editor de artigos.

Deixe uma resposta