Um outdoor e condomínios de alto padrão são vistos em uma região de promoção e desenvolvimento em Xiamen, província de Fujian, em meados de fevereiro. (Akiko Yoshinaga/The Yomiuri Shimbun)

Crescimento econômico chines em colapso

O Congresso Nacional Popular da China começou em Pequim. Este ano é um marco, marcando o 70º aniversário da fundação da República Popular da China, e a economia é o principal foco de atenção no NPC, a legislatura nacional da China.

Vendas em queda

“Vendemos apenas 500 veículos no ano passado e sofremos uma perda de 800 mil yuans (cerca de 13,2 milhões de ienes). É a pior fase desde que iniciamos as operações”, disse Zhu Dawei, gerente geral de um ponto de venda da montadora norte-americana General Motors em Shenyang, província de Liaoning.

“Nós vendemos 1.300 veículos no ano de pico de 2013”, Zhu lamentou.

O presidente chinês, Xi Jinping, assumiu o cargo em 2013. Naquele ano, o número de carros novos vendidos em toda a China aumentou 13,8% em relação ao ano anterior, para 21,98 milhões de unidades, superando 20 milhões pela primeira vez.

O produto interno bruto do país cresceu 7,8%, o que excedeu a taxa de crescimento do governo.

Xi defendeu um esboço do plano para o conceito de enorme zona econômica “One Belt, One Road” e incentivou as empresas chinesas a expandir seus negócios no exterior.

Em 2018, cinco anos depois da posse de Xi, o mercado automobilístico foi abalado significativamente. As vendas de carros novos do país diminuíram em 2,8% ano a ano para 28,08 milhões de unidades, caindo abaixo do nível do ano anterior pela primeira vez em 28 anos.

Isso se deveu ao fim de uma redução de impostos sobre carros pequenos, à queda nos preços das ações e ao atrito comercial entre os EUA e a China.

Os efeitos da desaceleração econômica se estenderam ao mercado imobiliário.

No outono passado, condomínios de luxo construídos ao longo de uma costa foram colocados à venda em Xiamen, província de Fujian.

O preço por metro quadrado para uma unidade com dois quartos e uma sala de jantar é de 26.000 yuan (cerca de ¥ 430.000). Esse é um preço razoável em Xiamen, onde os preços das moradias permaneceram altos, mas apenas algumas pessoas visitaram o local com o objetivo de comprá-los.

Mais casas vazias

“Na verdade, estamos vendendo os condomínios abaixo do custo”, disse um homem responsável pelas vendas. Explicando o motivo dos preços baixos, ele disse: “Considerando os custos de construção, queremos vender unidades por 40.000 yuan (cerca de ¥ 660.000) por metro quadrado, mas não podemos segurar o estoque”.

O mercado imobiliário está se deteriorando em todo o país. De acordo com a mídia chinesa, o espaço ocupado por casas vendidas caiu 9% ano após ano em Pequim em 2018 e 4% em relação ao ano passado em Xangai no mesmo ano.

O governo Xi enfatizou que as casas são para viver, não para especulação e, portanto, restringe a compra e a revenda de casas com o propósito de especulação.

Alguns acreditam que a queda de vendas do mercado imobiliário se deve ao forte controle e fiscalização do governo.

Um outdoor e condomínios de alto padrão são vistos em uma região de promoção e desenvolvimento em Xiamen, província de Fujian, em meados de fevereiro. (Akiko Yoshinaga/The Yomiuri Shimbun)

“Rinoceronte cinzento”

Não apenas as grandes indústrias, como as indústrias automobilística e imobiliária, sofrem com o fraco desempenho, como também o setor de tecnologia da informação em rápido crescimento também começou a desaçelerar e até causar algumas falências.

Se as situações econômicas e de emprego forem desestabilizadas, isso levará a crescentes preocupações sociais, o que minaria a fundação do governo liderado pelo Partido Comunista Chinês.

Em janeiro, Xi pediu que altos funcionários dos governos central e local se mantivessem altamente vigilantes contra os riscos econômicos internos e externos, dizendo que precisariam evitar não apenas “cisnes negros”, mas também “rinocerontes cinzentos”.

Um cisne negro é um evento – como a crise financeira desencadeada pelo colapso do Lehman Brothers em 2008 – que é raro, mas tem grande impacto no mercado, se ocorrer.

Um rinoceronte cinza é um problema que é altamente provável, mas tende a ser subestimado, como problemas de dívida. Embora Xi geralmente não use tais termos econômicos, ele os usou para fazer com que altos funcionários se manifestassem sobre os riscos econômicos, o que indica que sua administração se tornou cada vez mais alarmada.

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, negou a possibilidade de adotar políticas de proteção. No entanto, se a situação piorar ainda mais, a China poderá fazer uma mudança de política, como o pacote econômico de 4 trilhões de yuans que adotou após o colapso do Lehman Brothers.

Com a economia chinesa enfrentando uma crise sem precedentes, nuvens negras se aproximam da China, que entra no marco do ano que marca o 70º aniversário de sua fundação.

Fonte: Yomiuri Shimbun

Anúncios

Leandro | レアンドロ・フェレイラ

Webmaster, programador, desenvolvedor e editor de artigos.

Deixe uma resposta