Pesquisadores desistem de perfurar 5,2 km perto de Nankai

Pesquisadores que estudam o mecanismo de terremotos ao longo do vale de Nankai, no sul do Japão, abandonaram sua meta de perfurar cerca de 5.200 metros no fundo do mar para atingir uma falha no limite da placa.

O projeto, o primeiro desse tipo no mundo, faz parte do International Ocean Discovery Program, que envolve 25 países. Cerca de 6 bilhões de ienes (US $ 54 milhões) foram reservados para a missão de perfuração na Península Kii.

No entanto, a Agência Japonesa de Ciência e Tecnologia da Terra Marinha (JAMSTEC) disse em 8 de fevereiro que seu navio Chikyu de perfuração em águas profundas “provavelmente não conseguirá” atingir a profundidade planejada.

O Chikyu em novembro começou a perfurar a uma profundidade de 3.058,5 metros abaixo do fundo do mar, que havia sido atingido durante uma missão anterior.

Atingiu uma profundidade de 3.262,5 metros em dezembro, mas a perfuratriz parou de avançar ainda mais conforme planejado, presumivelmente por causa da complicada geologia na depressão submarina.

Uma plataforma de perfuração no navio de pesquisa científica Chikyu. Foto: Asahi

Acredita-se que uma falha que define o limite entre uma placa tectônica continental e a Placa Marinha das Filipinas esteja na profundidade alvo de 5.200 metros.

Mas as autoridades decidiram que será difícil atingir a falha de limite da placa.

“As tecnologias atualmente disponíveis não nos permitiram lidar com geologia complicada, apesar de toda a experiência e sabedoria que reunimos”, disse Shinichi Kuramoto, diretor-geral do Centro JAMSTEC para Exploração do Subsolo. “É complicado, mas acredito que o que aprendemos desta vez será útil no futuro”.

O navio de pesquisa Chikyu foi projetado para perfurar até 7.000 metros no fundo do mar.

O trabalho de perfuração continua, e espera-se que a tripulação alcance a profundidade máxima possível para reunir dados e espécimes antes de terminar a missão em março.

Fonte: Asahi

Anúncios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *