Sonda faz 1º contato com combustível nuclear derretido na usina de Fukushima

Uma sonda tocou os destroços de combustível nuclear em um reator destruído na usina nuclear de Fukushima, um marco há muito esperado na batalha pelo desmantelamento, informou a Tokyo Electric Power Co. em 13 de fevereiro.

A sonda, equipada com garras de 3 centímetros de comprimento, levantou pedaços do lixo nuclear durante a operação de oito horas na parte inferior do reator número 2 da usina, disse a empresa.

Os dados obtidos através da investigação, como a dureza, temperatura e radioatividade dos detritos, serão usados ​​para desenvolver equipamentos e recipientes para a eventual remoção do combustível derretido. A sonda, que foi recuperada após a investigação, também tirou fotos do interior do vaso de contenção.

Nenhum fragmento foi retirado do lado de fora do reator, de acordo com a TEPCO.

O processo de recuperação começará em 2021, de acordo com o plano elaborado em conjunto pelo governo central e pela TEPCO.

Foi o primeiro contato físico com o combustível derretido na usina desde o Grande Terremoto do Leste do Japão e o tsunami de 11 de março de 2011, que causou o colapso de três reatores.

Uma sonda usada na investigação da Tokyo Electric Power Co. em 13 de fevereiro pega detritos de combustível nuclear como seixo no reator número 2 da usina nuclear de Fukushima no. 1. (Fornecido pela Tokyo Electric Power Co.)

Demorou anos TEPCO apenas para localizar os restos de combustível derretido por causa dos altos níveis de radiação nos edifícios do reator.

A empresa disse que os trabalhadores inseriram manualmente a sonda através de uma rachadura criada no início do desastre, do lado do vaso de contenção do reator número 2.

A sonda, que se assemelha a uma garra, também foi equipada com um dosímetro e uma câmera. Pode se estender por 15 metros e pode levantar pedaços de até 8 centímetros de diâmetro e pesando 2 quilos.

Trabalhadores remotamente operavam a sonda de uma sala em um prédio próximo ao prédio do reator nº 2, e a abaixaram até o fundo do vaso de contenção do reator.

A sonda levantou detritos de combustível nuclear tipo seixo e partes estruturais de até 8 cm de diâmetro em cinco pontos na área de 2.500 metros quadrados que foi investigada. Não conseguiu recolher detritos em um ponto.

A TEPCO disse que a sonda não pode levantar detritos semelhantes a argila, provavelmente porque aderiu ao fundo do vaso de contenção.

A sonda também tocou fragmentos de combustível nuclear em vários pontos do andaime em forma de treliça para trabalhadores diretamente abaixo do vaso de pressão do reator.

A investigação anterior do reator nº 2 em 2017 localizou detritos de combustível derretidos.

Em uma pesquisa no ano passado, a empresa usou a sonda semelhante a uma haste para tirar imagens do interior do reator.

Espera-se que a TEPCO remova uma pequena quantidade de detritos de combustível nuclear na segunda metade do ano fiscal de 2019 como parte dos preparativos para a recuperação em larga escala.

Fonte: Asahi

Anúncios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *