Jornalista japonês ordenado a devolver o passaporte

O Ministério das Relações Exteriores ordenou que o jornalista freelancer Kosuke Tsuneoka entregasse seu passaporte em um aeroporto antes de sua partida para o Iêmen para cobrir a fome que abalava o país do Oriente Médio, devastado pela guerra civil.

Espera-se que a ação do ministério agite controvérsia, pois isso pode restringir a liberdade de viajar para o exterior, disseram especialistas. A ordem foi emitida no sábado. Tsuneoka visitou freqüentemente o Oriente Médio para atividades de coleta de notícias.

Tsuneoka havia planejado entrevistar os funcionários do Programa Mundial de Alimentos da ONU que trabalham no Iêmen e membros da equipe japonesa da Médicos Sem Fronteiras, também ativos no país, segundo o jornalista japonês de 49 anos.

Tsuneoka foi impedido de entrar em Omã e deportado quando tentou entrar no Iêmen através do país vizinho no mês passado. Desde então, ele está considerando chegar ao Iêmen usando uma rota diferente.

No sábado, Tsuneoka estava programado para pegar um voo do Aeroporto Internacional de Tóquio em Haneda para visitar o Iêmen via Sudão. Mas ele foi incapaz de passar pelo portão de embarque no aeroporto e foi informado por um funcionário do aeroporto que uma ordem para ele devolver seu passaporte foi emitida.

Tsuneoka recebeu uma ordem por escrito no aeroporto. Ele não havia sido informado sobre a ordem de antemão.

Uma cláusula na lei de passaportes do Japão estipula que uma ordem para o retorno do passaporte pode ser emitida para uma pessoa que tenha sido negada a entrada em um país estrangeiro de acordo com a legislação local. A ordem para Tsuneoka deveu-se à rejeição de Omã à sua entrada.

Tsuneoka disse que não tinha planos de permanecer em Omã, ressaltando que a ordem era contrária ao espírito da lei do passaporte.

Ele disse: “No Iêmen, os japoneses estão trabalhando em organizações internacionais. A situação lá é diferente da da Síria. ”

Observando que ele obteve um visto necessário. Tsuneoka disse: “Não consigo entender por que minha viagem ao Iêmen foi bloqueada”.

Em uma entrevista coletiva na terça-feira, o ministro das Relações Exteriores do Japão, Taro Kono, disse que seu ministério emitiu uma ordem para um japonês retornar seu passaporte no aeroporto de Haneda. Mas o ministro se recusou a confirmar se o homem é Tsuneoka.

O ministério aconselhou os japoneses a evitar a visita ao Iêmen, onde a luta continua entre as forças do governo e os rebeldes.

Tsuneoka foi detido por um grupo armado no Afeganistão por cerca de cinco meses em 2010. Em 2016, ele foi mantido pelo governo regional do Curdistão no Iraque.

Fonte: Jiji Press

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.