Presidente Jair Bolsonaro, à direita, com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Foto: Joedson Alves / EPA

Ministro do meio ambiente brasileiro acusado de “guerra contra ONGs”

O novo ministro do Meio Ambiente do Brasil, Ricardo Salles, suspendeu todas as parcerias e acordos com organizações não-governamentais por 90 dias, em um movimento que foi descrito como “uma guerra contra as ONGs”.

Anunciando a mudança, Salles disse que a suspensão de três meses permitiria uma reavaliação de tais parcerias, mas organizações da sociedade civil descreveram a medida como um ataque ao meio ambiente e àqueles que trabalham para protegê-lo.

Salles, nomeado pelo presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro e escolhido a dedo pelo comitê de agronegócios, já descreveu o aquecimento global como uma “questão secundária” e descartou as multas por crimes ambientais como “ideológicas”.

Um grupo de oito redes de organizações ambientais disse que não havia “justificativa” para a medida, que eles descreveram como inconstitucional, porque contratos entre o governo e ONGs só podem ser suspensos através de um processo formal após irregularidades terem sido encontradas.

Presidente Jair Bolsonaro, à direita, com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Foto: Joedson Alves / EPA

Carlos Rittl, diretor executivo do Observatório do Clima, argumentou que, como as parcerias entre ONGs e governos estavam sujeitas a longos processos de aprovação e relatórios periódicos de progresso, o ministro já possuía as informações necessárias para avaliar os contratos atuais.

“O ministro mostrou muito mais interesse em atacar organizações que protegem o meio ambiente do que em combater crimes ambientais”, disse Rittl.

Segundo dados divulgados no final do ano passado, o desmatamento no Brasil aumentou 13,7% – o maior aumento em quase uma década. Povos indígenas e outros defensores ambientais vivem em circunstâncias precárias em áreas rurais com pouco estado de direito – 46 defensores do meio ambiente foram mortos em 2017 no Brasil.

Muitos projetos ambientais são apoiados por dinheiro que vem de fora do Brasil. Mas, incluído no anúncio das suspensões por Salles, estava o Fundo Amazônia, que é administrado pelo BNDES, o banco nacional de desenvolvimento do país, e é financiado por doações principalmente dos governos norueguês e alemão.

Ao longo de sua campanha, Bolsonaro zombou das ONGs: “Você pode ter certeza, se eu conseguir [a presidência], não haverá dinheiro para as ONGs. Essas pessoas inúteis terão que ir trabalhar. ”

Os apoiadores de Bolsonaro comemoraram a decisão de Salles. “O gasto com dinheiro do governo acabou!”, Escreveu um usuário do Twitter. “Brilhante! Muitas ONGs se beneficiam do dinheiro público para praticar o ativismo político-ideológico ”.

Mas Rittl disse que o dano causado por uma suspensão de três meses pode ser irreversível. Ele e muitos na comunidade de proteção ambiental vêem uma perspectiva sombria para os próximos quatro anos sob o governo Bolsonaro.

“O ambiente está sob ataque”, disse ele. “Todas as indicações dizem que o desmatamento e a violência contra os povos indígenas vão subir”.

Fonte: O Globo | The Guardian

Anúncios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *