Chefe da JOC, Takeda, nega acusações de corrupção

Tsunekazu Takeda, presidente do Comitê Olímpico Japonês (JOC), rejeitou na terça-feira as alegações de corrupção relacionadas à candidatura bem sucedida de Tóquio para sediar os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2020, dizendo em uma conferência de imprensa em Tóquio: “Não há nada a suspeitar”.

Takeda, de 71 anos, fez a observação depois que autoridades judiciais francesas lançaram uma investigação em larga escala sobre suspeitas de que Takeda, que na época era o chefe do comitê de candidatura, estava envolvido na corrupção.

O JOC disse à imprensa antes da conferência de imprensa que não iria realizar uma sessão de perguntas e respostas, sob o argumento de que a investigação francesa estava em andamento. Takeda leu uma declaração preparada em seu lugar.

Segundo a mídia francesa, o foco da investigação dos promotores é se um total de cerca de ¥ 230 milhões (US $ 2,1 milhões) em honorários de consultoria pagos pelo comitê de oferta de Tóquio à consultoria Black Tidings de Singapura constituiu suborno.

Sobre o processo de aprovação para a assinatura de um contrato de consultoria, a Takeda disse na terça-feira: “O responsável apresentou uma proposta, e seu chefe a aprovou, e então fui solicitado a dar a aprovação final como chefe [do comitê de licitação]”. Ele insistiu novamente que “o contrato foi assinado por meio de procedimentos de aprovação apropriados”.

Ian Tan Tong Han, que representou a firma de consultoria, acredita ter tido uma conexão com um filho de Lamine Diack, que era então presidente da Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) e membro do Comitê Olímpico Internacional (COI). .

As acusações vieram à tona depois que promotores franceses emitiram um comunicado em maio de 2016. Uma equipe de investigação do JOC concluiu em setembro de 2016 que não havia ilegalidade no pagamento das taxas de consulta.

Takeda também disse na terça-feira: “[A investigação do JOC] confirmou que eu não sabia da relação entre o Black [Tidings] e o presidente da IAAF, assim como seu filho.”

A imprensa francesa informou que as autoridades francesas lançaram em 10 de dezembro do ano passado um processo preliminar, o equivalente a uma investigação formal, para decidir se indiciará Takeda.

Em meio a preocupações de que a reputação dos Jogos de Tóquio será prejudicada, Yoshitaka Sakurada, ministra dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio, disse em uma entrevista coletiva: “Para ser honesta, esta não é uma boa imagem. É extremamente lamentável. O mais importante é como agimos a partir de agora para dissipar impressoes ruins”.

Fonte: The Japan News

Anúncios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *