Coreia do Sul recicla sacos plásticos descartáveis após crise de resíduos pela China

A Coréia do Sul impôs nesta terça-feira a proibição de sacolas plásticas descartáveis em uma tentativa de eliminar o lixo não biodegradável no segundo maior produtor mundial de resíduos plásticos.

O movimento segue uma crise de manuseio de resíduos plásticos na Coreia do Sul em abril, quando a China, maior importador mundial de material reciclável, proibiu a importação de lixo plástico.

Citando perdas financeiras causadas pelo declínio dos preços dos resíduos plásticos no exterior, as empresas de reciclagem da Coréia do Sul pararam de coletar o lixo. A paralisação deixou pilhas de lixo – como garrafas de água e sacos plásticos – nas ruas e depósitos por semanas. Recicladores retomaram o trabalho após receberem subsídios governamentais.

A crise dos resíduos ressaltou a seriedade do assunto, forçando as autoridades governamentais a criar formas mais sustentáveis de lidar com resíduos plásticos, em vez de simplesmente exportar o problema para o exterior.

A partir de terça-feira, lojas de desconto, supermercados e padarias em todo o país foram proibidas de permitir que os clientes usem sacolas plásticas descartáveis, disse o Ministério do Meio Ambiente. “O movimento é o resultado de uma lei revisada sobre conservação de recursos e incentivo ao reaproveitamento de resíduos recicláveis”, acrescentou o ministério.

Um comprador deixa um supermercado com mercadorias em sacos de plástico. A Coreia do Sul introduziu a proibição de todas as sacolas plásticas nos supermercados. Foto: AP

Cerca 2.000 lojas e 11.000 supermercados do país, com espaço de vendas de 165 metros quadrados ou mais, estarão sujeitos à proibição. As empresas infratoras serão multadas em até 3 milhões de won (US $ 2.680).

A Coréia do Sul é o segundo maior produtor mundial de resíduos depois da Bélgica, usando 62 kg per capita, de acordo com a European Plastic and Rubber Machinery. O jornal Hankyoreh informou que os sul-coreanos usam 420 sacolas plásticas todos os anos.

Enquanto a nova lei coloca uma proibição geral nas sacolas plásticas descartável, os grandes supermercados, redes de varejo e padarias já tomaram medidas para eliminá-las, inclusive cobrando entre 50 e 100 won por sacola, ou mudando para sacolas recicláveis.

Fonte: South China Morning Post

Anúncios

Leandro | レアンドロ・フェレイラ

Webmaster, programador, desenvolvedor e editor de artigos.

Deixe uma resposta