Sapatos vermelhos em exibição em Tel Aviv como parte do protesto pedindo o fim da violência contra as mulheres. Foto: Jim Hollander / EPA

Mulheres israelenses protestam contra violência doméstica em greve nacional

Sapatos vermelhos em exibição em Tel Aviv como parte do protesto pedindo o fim da violência contra as mulheres. Foto: Jim Hollander / EPA

 

Milhares de mulheres israelenses protestaram contra a violência doméstica em uma greve nacional, exigindo mais ação e financiamento estatal para lidar com o problema.

A greve veio depois que duas meninas foram mortas na semana passada, elevando o número de mulheres e meninas assassinadas em Israel este ano para 24, de acordo com relatos da mídia israelense.

As mulheres estavam ficando em casa do trabalho e realizando manifestações em cidades de Israel, algumas estradas bloqueadas.

Centenas de mulheres israelenses bloqueiam um importante cruzamento no centro de Tel Aviv, Israel, para protestar. Foto: Jim Hollander / EPA

“Bibi, acorde, nosso sangue não é barato”, gritavam os manifestantes perto da entrada de Jerusalém, referindo-se ao primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. A estrada estava coberta de tinta vermelha, simbolizando o sangue das vítimas.

Falando no domingo, Netanyahu mencionou uma recente visita a um abrigo para mulheres, após o que ele decidiu encabeçar o comitê governamental para combater a violência doméstica. “Convocaremos o comitê sempre que quisermos”, ele prometeu, “para trazer um futuro melhor e esperança para essas mulheres”.

Uma jovem israelense carrega um caixão durante um protesto realizado por familiares e amigos de mulheres mortas pela violência em Tel Aviv, Israel. Foto: Jim Hollander / EPA

Membros da oposição, no entanto, acusaram o governo de não financiar o programa existente para lidar com o problema. “É tudo uma questão de prioridades”, disse Ksenia Svetlova, da União Sionista, durante uma audiência parlamentar.

Ela disse que 250 milhões de shekels (250 R$ milhões) pelo programa não foram transferidos. “Os escritórios de assistência social estão à beira do colapso”, disse Svetlova. Um comício central foi planejado para terça à noite em Tel Aviv.

Fonte: The Guardian

Anúncios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *