Apesar da “crise silenciosa” no Ocidente, o MMA está crescendo novamente nos países do continente asiático ( Cortesia : Iphone Media ).

Preocupado com o futuro do MMA, Alex Davis alerta sobre uma “crise silenciosa” nesse esporte

Preocupado com o futuro do MMA, Alex Davis alerta sobre uma “crise silenciosa” nesse esporte
Rate this post

Apesar da “crise silenciosa” no Ocidente, o MMA está crescendo novamente nos países do continente asiático ( Cortesia : Iphone Media ).

Se Dana White é o coração do MMA e o gênio controverso do esporte, o treinador Alex Davis é a consciência da modalidade, com uma “capacidade de olhar para o próprio umbigo” assim como nenhum outro nesse meio. Membro fundador da conceituada equipe American Top Team e judoca veterano, Davis dirige uma série de grandes lutadores brasileiros, incluindo Edson Barboza, Antônio Carlos Júnior, Rousimar Palhares, Thiago Santos, Antônio ‘Bigfoot’ Silva e Thiago Tavares. Ele também é um escritor de longa data que sempre publica seus textos no site MMAjunkie, e este material é sempre leitura obrigatória. Em seu último artigo, ele identifica um dos maiores problemas para os lutadores que estão surgindo.

Confira abaixo o texto de Davis, que eu transcrevi na íntegra, e reflita sobre a preocupação do mesmo com o futuro do nosso esporte, pois os “conselhos” desse experiente ‘Manager’ não devem ser negligenciados jamais :

“ Existe, no mundo do MMA hoje, uma “crise silenciosa” – silenciosa para os milhões de fãs e para os muitos jornalistas que escrevem e formam a opinião pública sobre o esporte, mas ainda assim para os profissionais nas academias e nos tatames que fazem o esporte acontecer dia após dia.

Como o MMA se tornou popular e aumentou sua base de fãs, milhares de pessoas olharam para ele e começaram a sonhar em se tornar como as “estrelas” que o esporte criou. É assim em qualquer esporte. Mas a diferença no MMA é que há cada vez mais pessoas nas academias e nos tatames treinando e aprendendo, colocando seu tempo, esforço e dinheiro no sonho de um dia se tornarem um lutador notável, mas há menos e menos oportunidades para eles entrarem em um ringue ou “cage” e se mostrarem dignos.

Mesmo os homens e mulheres que começaram há algum tempo e conseguiram acumular registros razoáveis em suas carreiras são afetados por esse mesmo problema. Está se tornando geometricamente mais e mais difícil encontrar lutas. Isso está causando uma verticalização extrema do esporte – uma infinidade de pessoas por aí treinando, mas comparativamente apenas um ‘gotejamento’ conseguindo lutas, e uma porcentagem infinitamente pequena daquelas que realmente conseguem entrar em um evento significativo.

É muito difícil fazer face às pequenas promoções de lutas. Centenas desses eventos foram criadas apenas para serem extintos posteriormente. Existe um abismo entre os pequenos eventos e os grandes. Há quase nem um meio! E hoje em dia o MMA se tornou famoso entre os investidores como uma ótima maneira de perder dinheiro.

Ao longo dos anos, as pessoas viram o sucesso econômico que o UFC alcançou em um tempo relativamente pequeno, e criaram projetos de eventos à sua semelhança para fazer o mesmo, apenas para descobrir que não sabem o que estão fazendo, nem têm significado, propósito ou persistência para ficar com ele até que seu projeto se torne sustentável. Cada vez menos pessoas estão dispostas a tentar, o que significa cada vez menos eventos para os atletas lutarem.

A parte triste disso tudo é que muitos atletas com potencial irão desistir e outros já desistiram! O que isso significa? Ora, nunca poderemos ver o próximo Anderson Silva, o próximo TJ Dillashaw, o próximo Rodrigo ‘Minotauro’ Nogueira, porque eles simplesmente não conseguiram nos mostrar suas habilidades e desapareceram na obscuridade!

No entanto, essa verticalização cria oportunidades para as pessoas inteligentes e antiéticas atacarem a situação. Uma vez que existe um desequilíbrio entre as oportunidades e os atletas para aproveitá-las, é fácil os canalhas saírem e colherem os benefícios usando as esperanças e sonhos dessas pessoas.

Também cria a tendência para as pessoas que gerenciam essas oportunidades e oferece-las aos atletas por outras razões além do mérito. Em outros esportes profissionais, os atletas se elevam nas classificações com base em sua performance. Mas no MMA, assim como você tem pessoas ganhando e ganhando e ganhando enquanto nunca vão para as disputas dos títulos, você tem atletas incríveis lá fora que nunca tiveram a chance de estar em um grande palco porque eles não têm uma convivência com um ‘Manager’ competente, ou talvez por eles não falarem o inglês fluentemente.

Acredito que todos nós que estamos envolvidos no MMA, seja para curtir como fãs ou como participantes, devemos nos conscientizar disso. Só então haverá discussões e soluções. O MMA ainda é um embrião, não é um esporte consolidado ( ainda ). Temos apenas 25 anos de existência. Este é apenas um dos problemas estruturais que o MMA enfrenta à medida que se desenvolve.

Nós diferimos de outros esportes profissionais porque não temos nenhum sistema ranqueador estruturado como uma escada para as ligas maiores, como outros esportes têm. Mas em algum momento, devemos começar a olhar para ele da mesma forma que outros esportes se vêem, do ponto de vista do que será bom para o esporte a longo prazo. Somos apanhados no vício do imediatismo. Tudo o que podemos ver são os próximos dois ou três meses. Mas se quisermos ter um esporte significativo no futuro, devemos superar isso. Precisamos discutir e criar soluções. ”

Leia o artigo original no ‘link’ abaixo :

( ou então, copie e cole o ‘link’ no seu navegador )

Bem, após ler e refletir sobre o artigo de Alex Davis vou emitir a minha opinião pessoal sobre o tema em questão … Eu cheguei à conclusão que não posso fazer muito para tentar intervir na “crise silenciosa” que aflige o MMA nos demais países pelo mundo, mas posso tentar conscientizar aqueles que de uma forma ou outra militam na modalidade aqui no Brasil, pois é aqui em nosso país que remontam as raízes do MMA moderno e portanto, um lugar propício para se construir uma base mais sólida e consistente, desde que se encontrem soluções criativas à longo prazo.

Por outro lado, com tantas “estrelas” por aqui exigindo dos eventos nacionais as mesmas regalias dos grandes shows internacionais é mais provável que sobrem cada vez menos eventos para se lutar em solo brasileiro, pois os shows estão se mostrando financeiramente inviáveis para os empreendedores.

Ora, se lá fora o MMA já se tornou famoso entre os investidores como uma ótima maneira de se perder dinheiro, como bem disse Davis, imaginem aqui no Brasil, país que enfrenta uma severa crise econômica.

Mesmo nos EUA, o próprio Dana White ( ainda presidente do UFC ) está montando a Zuffa Boxing, empresa voltada para a promoção de lutas de boxe, com o intuito de diversificar os seus negócios e gerar mais lucros.
Sejamos bem francos… Se o cenário do MMA fosse tão animador lá fora, Dana não estaria fazendo essa expansão para o boxe agora, e com isso maximizar seus ganhos com os negócios do UFC.

Se não houver uma conscientização de todos, mais cedo ou mais tarde a “máquina” que sustenta essa ‘engrenagem’ toda irá quebrar e o cenário aqui no Brasil poderá regredir às décadas de 70 e 80, quando aqueles que desejavam construir uma carreira no esporte rodavam pelo país promovendo seus próprios shows, de cidade em cidade. Pensem nisso.

*Fonte – Créditos : Colaborador Oriosvaldo Costa | 21/11/2018

UFC ignora as crises ( tanto a “silenciosa” quanto a financeira ) e transforma o Brasil em central da América Latina. Esse ano a franquia abriu uma sede em São Paulo ( Cortesia : Getty Images ).

Oriosvaldo Costa | オリオスバルドコスタ

Oriosvaldo Costa “Mr. Kung Fu”. O primeiro muçulmano lutador de MMA do Brasil. 7 lutas : 3 vitórias, 3 derrotas, 1 No Contest.

Oriosvaldo Costa | オリオスバルドコスタ has 111 posts and counting. See all posts by Oriosvaldo Costa | オリオスバルドコスタ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *