Justin Sun comprou o Bittorrent



Poucas pessoas sabem sobre as duas tentativas frustradas feitas pelo BitTorrent, antigo líder em P2P, para transformar-se em uma empresa de comunicação após o seu declínio do auge dos downloads do BT. Obviamente, o BitTorrent, que já foi um divisor de águas tecnológico, já não é mais um favorito da indústria da internet. Seu renascimento, apoiado pela TRON, pôs um ponto final à sua última década de adversidades. Agora com uma nova abordagem da internet clássica, a TRON também está virando a página.

Uma semana antes do lançamento da rede principal da TRON, a notícia de que Justin Sun e sua startup blockchain adquiriram o desenvolvedor do BitTorrent, um protocolo P2P descentralizado, por US$ 140 milhões se espalhou pelo Pacífico. Por muito tempo, o BitTorrent vinha procurando por um comprador. Ele finalmente tomou a decisão de unir-se à TRON, um projeto estelar na onda crescente de tecnologia blockchain.

A redenção da internet clássica

Sempre há pessoas neste mundo lutando pela nação dos seus sonhos — uma nação liberal, igualitária, democrática e autogestionada que não mais se curva ao autoritarismo ou engana ao jovem ou ao idoso. Isso também é verdade no mundo da internet. Aqui também há geeks revolucionários que nunca pararam de descentralizar a web.

Em 2004, um novo modelo de download descentralizado alucinou os usuários de internet globais. O BitTorrent apresentou a rede P2P como uma nova forma de compartilhar e armazenar dados. Diferentemente do modelo baseado em um servidor, com o BitTorrent todos podem fornecer outros terminais com dados que podem ser obtidos via download, o que significa que quanto mais pessoas fazem trocas e compartilham via BT, mais rápida é a velocidade de download. Isso torna o compartilhamento e distribuição de arquivos grandes (vídeos, por exemplo) muito mais fácil. O BitTorrent foi um marco no desenvolvimento da internet clássica quando o fluxo de vídeos começou a ultrapassar o dos áudios.

O BitTorrent é sem dúvida um pioneiro do compartilhamento de dados P2P, armazenamento e backup em uma estrutura de rede distribuída. Acima de tudo, ele criou uma nova perspectiva para a camada subjacente, que evocou uma nova compreensão e concepção da internet.

Justin disse em sua Carta à Comunidade: “O BitTorrent é a gênese do movimento de descentralização. Desenvolvedores, empreendedores e a comunidade da web descentralizada consideram o BitTorrent o verdadeiro pioneiro da tecnologia de descentralização. Ele é a base de um protocolo de internet aberto, transparente e compartilhado.”

No entanto, as questões do BitTorrent com o protocolo de código aberto e direitos autorais de arquivos compartilhados logo expuseram mais problemas. Criadores de conteúdo e editoras atacaram a tecnologia P2P representada pelo BitTorrent pelas suas questões de segurança, ataques de hackers, vazamentos de informações privadas, restrições de políticas, distribuição de lucros e questões de direitos autorais. Além disso, com o aumento de sites de vídeo, o uso do fluxo de internet das transmissões P2P caíram continuamente.

Apesar de o BitTorrent ainda ser utilizado por pelo menos 170 milhões de usuários ativos mensais e de ter 40% do fluxo de internet, a comercialização da sua tecnologia permanece um grande desafio. O fundador do BitTorrent acredita que uma empresa com uma ótima ferramenta deveria fazer algo maior.

Após a explosão do Bitcoin, a tecnologia blockchain baseada em rede P2P distribuída, algoritmo de criptografia e consenso trouxe um raio de esperança à internet clássica. O algoritmo de criptografia assimétrica da tecnologia blockchain permite que a privacidade seja protegida enquanto estabelece conexão P2P direta. Terceiros não podem envolver-se em uma interação P2P. A descentralização dos dados é realizada colocando-se o armazenamento e o cálculo dos dados nas mãos dos usuários. Enquanto isso, o uso de contratos inteligentes permite que cada contribuinte compartilhe seus interesses de forma pacífica e promove o consenso de dados em nível de aplicação, o que apoia grandemente a legitimidade de uma web descentralizada.

O site oficial do BitTorrent também mostra o rumo que ele está tomando. Ele tem como objetivo realizar uma maior mobilidade de dados. Deseja possibilitar que criadores de conteúdo obtenham lucros com as suas criações, e que os usuários possam construir conjuntamente o ecossistema da forma como eles adoram, com consenso sobre os conteúdos compartilhados. Realmente, parece que o BitTorrent encontrará seu melhor aliado na indústria blockchain.

Compatibilidade intrínseca une o BitTorrent e a blockchain. Diz-se que o Protocolo TRON, um dos maiores sistemas operacionais baseados em blockchain do mundo, oferece um suporte escalável, altamente disponível e de alto desempenho que serve como base para todos os aplicativos descentralizados do ecossistema TRON. O Protocolo também usa uma plataforma de contratos inteligentes inovadora e conectável para melhorar a compatibilidade com os contratos inteligentes da Ethereum. A TRON tem a visão de estabelecer um sistema de entretenimento gratuito global e de descentralizar a internet.

Um generoso pagamento de US$ 140 milhões não apenas acabou com as dificuldades do BitTorrent, mas também sinaliza uma nova tentativa para as indústrias da internet clássica e de blockchain.

Benefício mútuo: 1+1>2

Esta enorme aquisição, mais uma grande jogada desde que a Tron declarou a sua independência, causou grande agitação na indústria blockchain, onde alvoroços surgem um após o outro.

Tecnologicamente, andar de mãos dadas com o BitTorrent definitivamente fortalecerá a rede subjacente distribuída da TRON. É sabido que o BitTorrent ajudará na camada de armazenamento do protocolo TRON a fim de melhorar o seu desempenho de maneira geral e a sua estabilidade. Essencialmente, o casamento da tecnologia do BitTorrent e da tecnologia blockchain da TRON aplicará, através da construção conjunta de uma nuvem computacional de armazenamento de dados segura, as tecnologias do BitTorrent onde valor comercial real pode ser criado. Esta colaboração também enfatizará as vantagens da implantação de protocolos subjacentes fortes, como armazenamento em nuvem, download distribuído e distribuição de conteúdo na blockchain pública da TRON.

Um dos destaques da aquisição é que os mais de 100 milhões de usuários do BitTorrent agora são da TRON. De fato, as duas companhias têm mais usuários do que qualquer outra em suas respectivas áreas. São seus mais de 170 milhões de usuários ativos que fizeram do BitTorrent um dos protocolos baseados em tecnologia P2P de melhor desempenho. Até a declaração de independência da TRON em 25 de junho, já havia mais de 1,2 milhões de detentores de TRX em todo o mundo, superando os números de qualquer outra comunidade de detentores de token.

A entrada de mais de 100 milhões de usuários consolida ainda mais a base de usuários do ecossistema da TRON e injeta vitalidade em sua comunidade. Em primeiro lugar, o ecossistema da TRON satisfaz as necessidades que os usuários do BitTorrent têm há tempos. Com os planos de incentivo da TRON, esses usuários poderão reconhecer seus valores e promover um consenso mais forte, o que os estimulará a tornarem-se detentores de TRX. Espera-se que o panorama promissor do TRX resulte em um desempenho satisfatório, apesar do mercado lento, garantindo o seu lugar entre os 10 primeiros e aproximando-o do 6º lugar.

Por outro lado, movidos por interesses pessoais e valores em comum, os contribuidores de conteúdo do BitTorrent não apenas serão impelidos a envolver-se ativamente no desenvolvimento da comunidade, como também o custo com a aquisição de clientes e de atividade de usuários podem ser por sua vez reduzidos significativamente. Desta forma, mais contribuições podem ser feitas para o estabelecimento de um sistema de entretenimento gratuito global, reduzindo o patamar da comercialização final.

Isso não apenas empolgou a jovial TRON, como também demonstrou para a indústria blockchain e para a indústria de internet tradicional como 1+1>2.

Como todos sabem, combatido por problemas com usuários e altos custos de fluxo, o dividendo da internet tradicional não está mais intacto. Ele necessita desesperadamente de um novo mecanismo de incentivo para recuperar sua vitalidade. A economia de token baseada em tecnologia blockchain traz satisfação. Seu ecossistema composto e plural inclui sustentabilidade e reciclabilidade, permitindo que participantes de todo o mundo envolvam-se na P&D e na manutenção aonde quer que estejam. Os usuários da comunidade têm um papel fundamental no desenvolvimento do ecossistema, tomando a iniciativa de comunicar e transformar. Uma vez que compartilham dos mesmos valores, o engajamento dos usuários pode crescer a uma velocidade inesperada. Nada disso seria possível na internet clássica.

A internet tradicional precisa transformar ou otimizar o modelo de negócios existente com economia de token; as startups blockchain estão ávidas na busca pela tecnologia madura, base de usuários e genes comerciais da internet tradicional no estágio de exploração e desenvolvimento. Assim sendo, ao invés de antagonismo, as duas devem manter-se abertas e colaborando em um universo de coexistência, juntando energia para a vindoura comercialização em larga escala.

A aquisição do BitTorrent pela TRON trouxe outra perspectiva para a combinação das indústrias de internet tradicional e de blockchain, o que pode ser registrado na história da blockchain como um caso clássico da aquisição de uma empresa da internet tradicional por uma empresa blockchain.

Fonte: bitcoinnews.com.br

Leandro Ferreira | レアンドロ・フェレイラ

Webmaster, analista, desenvolvedor e editor de artigos.

Leandro Ferreira | レアンドロ・フェレイラ has 1824 posts and counting. See all posts by Leandro Ferreira | レアンドロ・フェレイラ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *